A época de 2010/11 começou em grande. ( Parte 1)

Boa tarde a todos, em especial aos que gostam das cores que eu defendo

A época de 2010/11 começou em grande.

Na Tribuna VIP do estádio do dragão, completamente à pinha entre imprensa nacional e internacional, todo os dirigentes do clube e da SAD, com excepção de Vítor Baia, equipa técnica e demais funcionários, foi feita a apresentação, daquele que esperamos ser uma lufada de ar fresco no panorama do Futebol clube do Porto.
Entre várias afirmações que o novo técnico emitiu, ouve algumas que nos deixaram de agua na boca. Eu escolho a que ele diz que neste clube, a vencer desde 1893, ele quer continuar nessa senda vitoriosa. Nota-se que ele teria um discurso prévio, que haveria respostas preparadas para certas perguntas, como as sobre a idade, que ele contornou falando de experiência e competência, sobre a análise de jogadores que poderiam ser contratados, e que ele respondeu que poderia ter alvos concretos para preencher lacunas, que ele poderá já ter encontrado mas não as revelou.
Pareceu-me que esteve à atura nesta sua primeira aparição como treinador do clube, embora, certamente que ele vinha com um discurso preparado, pois as perguntas não fugiriam muito do que se estava à espera.

Agora, consumada a saída do professor Jesualdo Ferreira resta-nos agradecer o que de bom ele fez. E fez muito, principalmente para os cofres da SAD. Teve coisas menos boas, entre algumas derrotas copiosas. Mas, no balanço final, temos muito que lhe agradecer, e por isso, num futuro post, iremos recordar os seus momentos mais importantes e marcantes na história do FCP.
Em relação ao André Villas-Boas, portista e sócio do clube desde os seus 2 anos, conhece a estrutura do clube há 15 anos. Entrou no clube pela mão do saudoso Bobby Robson, tendo a partir daÌ avançado etapas atrás de etapas, e com um acompanhamento dos melhores do mundo. Ele fez durante alguns anos, o trabalho que pouca gente gosta, pois é o trabalho discreto que não é reconhecido pelo publico em geral. Mas ele sabia que poderia atingir os seus objectivos de chegar a treinador principal, subindo esses degraus de maneira segura. Quando me falam que ele é novo, de facto tenho que reconhecer que é, mas, quantas pessoas estão habituadas a trabalhar em clubes de grande exigência durante 15 anos?
Se é arriscado o FCP contratar um treinador com poucas, ou mesmo nenhumas provas dadas, talvez seja. Ms por isso, talvez valha a pena correr esse risco, que eu considero mínimo, e a história recente do FCP, demonstra que nos damos bem com treinadores com pouco currículo. Em casos nacionais aponto 2: Artur Jorge e Mourinho. O 1º treinou o portimonense ( que sado o regresso ao escalão maior ) antes de vir treinar o Porto. Teria currículo para um grande? Bem, foi bicampeão e campeão europeu! Do 2º, Mourinho, todos sabem o que se passou.

Do ponto de vista de um portista, é de facto muito gratificante e tem um sabor muito especial, termos um treinador portista. Não existirá a desconfiança levantada por um treinador com passado benfiquista. Treinar a Académica e o Porto, é de facto bem diferente. As exigências são muito maiores, assim como a cobrança. Mas, ele no coração dos adeptos tem um maior voto de confiança do que os outros treinadores, pois além de ser novo é PORTISTA! Não esperamos que ele seja um clone de Mourinho ou Bobby Robson, mas que ele vibre com as vitorias do Porto de uma maneira diferente, pois também as sentirá como adepto. … de facto óptimo sabermos que o nosso treinador dará tudo pelo clube, pois é o clube dele, profissionalmente e dele de coração.
Esta será de facto uma grande vantagem dele relativamente ao seu antecessor.

Como esquema táctico de eleição, todos esperamos um 4-3-3, esquema utilizado em todas as equipas desde as escolinhas, ser· mais uma continuação do bom trabalho. Esta mudança de treinador, não será por isso uma ruptura mas, isso sim, um novo alento e uma brisa no clube e nos adeptos.

Bem haja André Villas-Boas! Muitas Felicidades!


Por Emanuel Ribeiro e Joaquim Santos

6 Passes de rotura:

JOAQUIM SANTOS 8 de junho de 2010 às 13:57  

Deixo este primeiro comentário para agradecer a preciosa ajuda ao Emanuel Ribeiro para a publicação deste post, porque ando bastante ocupado e sem tempo para escrever...

João S. Barreto 8 de junho de 2010 às 17:43  

Joaquim (e Emanuel), bom post! Ao contrário de vocês, acho que a aposta tem um risco que não é mínimo.

Como já disse anteriormente, quando era treinador da Académica chegou a estar a 6 pontos do Sporting numa fase adiantada da época, mas depois falhou redondamente e só garantiu (matematicamente) a manutenção nas últimas jornadas. Irrita-me um bocado a forma como se aproveita da imagem de "novo Mourinho".

Ainda assim conseguiu potenciar jogadores como Emídio Rafael, Tiero, Cris e Sougou, todos eles surgem com mercado neste final de época.

Como benfiquista devo só recordar que Fernando Santos, apesar de benfiquista assumido, não deixou saudades. Mas percebo que seja mais raro encontrar um portista para treinar o Porto do que um benfiquista.

DEUS 8 de junho de 2010 às 18:26  
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Emanuel Ribeiro 8 de junho de 2010 às 19:02  

João:

A imagem, que nos foi dada, e que querermos fazer passar, é que essencialmente, este grupo técnico está blindado, em que o Pedro Emanuel, será uma voz de comando, o General de Villas-Boas, perdoando a linguagem guerreira usada na metáfora. Ao falar-se do treinador do Porto, ver-se-á muito a imagem de Pedro Emanuel também.

Falaste da passagem do André Villas-Boas pela académica e fizes que falhou redondamente. Mas foi esse André Villas-Boas, que pegando na equipa a académica a penar por um impensável ( agora!) último lugar, a catapultou para ficar a 6 pontos do Sporting e sonhar com a liga europa, levando essa mesma académica à meia fina da Taça da Liga, por isso dizes, por ter estando tão perto, ter ficado tão longe o ter fahado redondamente. Mas claro que não foi o percurso dele na académica que fez com que viesse para o Porto. Acho que ele emancipou-se na briosa, e se calhar, poderá ter chegado ao Porto, ainda em fase de maturação pessoal, que acho que em termos técnicos e tácticos, ele tem largo arcaboiço.

Caro João, o facto de ele ser portista, só fará com que haja uma maior afinidade entre adeptos e treinador e restante equipa técnica. Como ele não teve nenhuma ligação a outro clube grande, que não era o caso do Fernando Santos engenheiro do penta e com passagem pelo Sporting, ser´o caso de filho pródigo, e não é olhado com a desconfiança que Jesualdo teve nos primeiros anos. No Porto, a mulher se César não tem que parecer, tem que ser, logo o treinador tem que sentir o que é o FCPORTO, e Porto Cidade e região. Quando o Jesualdo optou por um discurso com os propósitos supracitados, ele começou a ser aceite pelos portistas. André Villas-Boas, não irá passar por isso!
A competência, não tem clube, e tu como benfiquista, provavelmente idolatras um sportinguista! Pelo que me consta, JJ é sportinguista!

Deus 8 de junho de 2010 às 21:08  

João S.Barreto:
Ainda és mais TRISTE do que eu imaginava; Só vês o teu umbigo.
E quew tal consultares um psiquiatra?!

João S. Barreto 8 de junho de 2010 às 21:16  

Emanuel eu não digo que ele falhou redondamente no seu trabalho como um todo, falhou quando teve a oportunidade de fazer algo histórico. No fim ficou em 11º lugar, o que tendo em conta o seu plnatel (na minha opinião, disse-o várias vezes, era o pior do campeonato juntamente com o do Leixões) é bom, mas não é excelente nem lhe dá um lugar na história do clube.

Quanto à restante carreira dele, penso que não foi por isso que o FC Porto o contratou. Não conheço bem o que ele fez, mas segundo consta era um observador na equipa técnica de Mourinho, não tinha rsponsabilidades de campo nem de treino (corrige-me se estiver enganado). Se não foi pelo que fez na AAC que foi contratado, não sei porque foi. Obviamente que à partida tem uma excelente carreira à sua frente, mas nem um ano inteiro como treinador principal tem e por isso é ainda muito cedo para se falar.

Compreendo que essa afinidade possa existir ao princípio. Contudo, o que quero dizer é que se os resultados não aparecerem toda a gente se vai esquecer que ele antes de treinador era adepto do FC Porto.


deus, pelos vistos tu é que só olhas para o meu umbigo, porque eu tou a falar de futebol, tu só estás a falar de mim.