Recordando... Rui Barros

Um pequeno grande jogador!
Rui Barros é talvez uma das mais carismáticas figuras do F.C.Porto!
Natural de Lordelo, foi no clube da sua terra natal que nasceu para o futebol com cerca de 12 anos! Ainda muito jovem passou pelo Rebordosa e Paços de Ferreira, até ser contratado pelo FC Porto em 1984.
Depois de passar dois anos emprestado ao Varzim e feito uma época ao serviço do Sp.Covilhã, Rui Barros impôs o seu lugar no plantel sénior do FC Porto, na temporada de 1987/88.
Era dono de uma excelente qualidade técnica. Rápido e imprevisível, era um avançado que dava uma enorme profundidade á equipa pela sua versatilidade dentro de campo. Os dribles, as arrancadas e a sua criatividade eram a imagem de marca do pequeno jogador, aliás o facto de ser pequeno (1,59 metros) tornou-se um enorme trunfo perante os seus adversários.
Além de um criativo, era também um bom rematador, finalizando com a mesma qualidade com que se desmarcava ou servia para outro marcar.
Todas estas qualidades captaram as atenções da vecchia signora para onde se transferiu após 1 época no Porto onde jogou ao lado de Fernando Gomes, Domingos, Madjer, Jaime Pacheco, Jaime Magalhães, Bandeirinha e João Pinto.

Tinha 23 anos quando chegou a Itália, nomes como Sergio Brio (um jogador que venceu tudo o que havia para vencer), Stefano Tacconi (suplente de Zenga no mundial de 90), Michael Laudrup, Pierluigi Casiraghi, e Salvatore Schillaci, faziam parte de um plantel orientado por Dino Zoff que falava do pequeno grande jogador como um vulcãozinho sempre em ebulição, já pelos adeptos ficou conhecido como “La Formica Atomica”.
Ainda hoje é recordado pelos italianos como um jogador genial e um enorme profissional onde a humildade era bem patente. Em 95 jogos, fez 19 golos e conquistou uma Taça de Itália e uma Taça UEFA.
O contrato com a Juventus era de 2 anos. A “Formiga Atómica” cumpriu de forma brilhante o primeiro ano, já o segundo sendo menos utilizado mostrou menos futebol e em Agosto de 1990 foi cedido ao Mónaco de Arsène Wenger, fazendo com George Weah uma grande dupla atacante. Venceu a Taça de França e foi finalista vencido da Taça dos Vencedores das Taças em 1992 disputada no Estádio da Luz. Para além de Weah jogou ao lado de nomes como, Thuram, Emmanuel Petit, Djorkaeff, Glen Hoodle, Claude Puel, e Klinsmann.
Três anos volvidos, em 93 esteve perto de assinar pelo Sporting e de regressar ao F.C.Porto, mas como nenhum dos clubes quis pagar o valor do seu passe (400 mil contos) transferiu-se para o Marselha, onde jogou uma época ao lado de Paulo Futre, Rudi Völler, Marcel Desailly, Barthez, e Didier Deschamps.
Em 94 deu-se o escândalo de corrupção que regalou o Marselha para a segunda divisão e o “pequeno vulcão” voltou a estar com um pé em Alvalade, Sousa Cintra até se fez fotografar com ele mas o destino quis que Rui Barros voltasse ao Porto para terminar a carreira no clube que lhe abrira o caminho para o sucesso. Fez 6 épocas e venceu 10 títulos. Durante estes anos partilhou o balneário com jogadores como Jorge Costa, Vitór Baía, Paulinho Santos, Kostadinov, Drulovic, Secretário, Sérgio Conceição, Zahovic, Jardel, o falecido Fehér e o brasileiro Argel. Fez no total 168 jogos de Dragão ao peito e marcou por 37 vezes.
A nível de seleções foi internacional por 36 vezes marcando 4 golos com a camisola das quinas.

Em 2005 volta ao então estádio do Dragão, como adjunto de Co Adriaanse. Com a saída do holandês Rui Barros assume o cargo de técnico principal, e foi ele que orientou a equipa na vitória da Supertaça Cândido de Oliveira sobre o Vitória de Setúbal. Actualmente é treinador adjunto da equipa do seu coração, o F.C.Porto.

Nome completo: Rui Gil Soares de Barros
Alcunha: "La Formica Atomica"
Nacionalidade: Português
Data de Nascimento: 24 de Novembro de 1965

Clubes:

1994/00 - FC Porto 134 jogos / 25 golos
1993/94 - Marselha 17 jogos / 4 golos
1990/93 - Monaco 81 jogos / 14 golos
1988/90 - Juventus 95 jogos / 19 golos
1987/88 - FC Porto 34 jogos / 12 golos
1985/87 - Varzim 23 jogos / 6 golos
1984/85- Sp. Covilhã

Palmarés:

1 Supertaça Internacional (FC Porto)
1 Supertaça Europeia (FC Porto)
6 Campeonatos de Portugal (FC Porto)
3 Taças de Portugal (FC Porto )
4 Supertaças Cândido Oliveira (FC Porto)
1 Taça de Itália (Juventus)
1 Taça UEFA (Juventus)
1 Taça de França (AS Mónaco FC)
1 Vice-Campeão Taça das Taças (As Mónaco FC)

11 Passes de rotura:

Pedro Veloso 16 de dezembro de 2009 às 23:42  

Essa revista da Juventus com o Rui Barros na capa é hilariante!

Rui foi um excelente jogador, parecido com Saviola em algumas coisas se bem me lembro.

Um pouco como o Futre, em termos de selecção perdeu por ter aparecido uns anos cedo demais, antes da geração dourada.

Excelente post Número Dez.

P.S. Acho que foi o João Pinto e não o Rui Barros a ganhar essa Supertaça.

Numero Dez 16 de dezembro de 2009 às 23:50  

Foi rui barros Pedro! Era decidida em 2 mãos e Rui barros acabou até por marcar na 1 mão salvo erro.

Pedro Veloso 17 de dezembro de 2009 às 00:45  

Não, não, estou a falar do teu último parágrafo, "Com a saída do holandês Rui Barros assume o cargo de técnico principal, e foi ele que orientou a equipa na vitória da Supertaça Cândido de Oliveira sobre o Vitória de Setúbal". Acho que foi o João Pinto e não o Rui Barros a assumir o cargo de treinador principal.

Manú 17 de dezembro de 2009 às 00:55  

acho que foi o rui barros tambem veloso.

Pedro Veloso 17 de dezembro de 2009 às 01:06  

Têm razão, já confirmei. O João Pinto era apenas adjunto nessa equipa técnica.

João 17 de dezembro de 2009 às 01:38  

Incrível, o Sousa Cintra andou atrás de tudo o que mexia! Imagino a sua dream team com mais este grande jogador. Só pela capa da revista ganhas 5 estrelas nº10 hehe!

Cristiano Moreira 17 de dezembro de 2009 às 14:45  

Grande post e uma grande memório.
Rui Barros era truta!!

Tomás Pipa 17 de dezembro de 2009 às 15:51  

O Sousa Cintra foi o Zézé Camarinha do futebol português, tudo o que mexia, era para atacar!

Excelente post numero10, na senda do que nos tens habituado com esta rúbrica.

Grande jogador que era este Rui Barros, essa época na Juventus foi fantástica. Como é possível um cagatacos deste marcar 19 golos?

Enfim, quem se lembra de irmos a Berlim defrontar a Alemanha para a qualificação do Mundial 98 com J.Pinto e Rui Barros a fazer dupla de avançados?LOL

Numero Dez 17 de dezembro de 2009 às 20:17  

COnfesso que me está a dar um enorme prazer fazer esta rubrica. Há coisas que me lembro as que não sei vou pesquisar e fico também a saber um pouco mais sobre jogadores que marcaram o futebol português. Vou também começar a fazer sobre outros grandes nomes que marcaram o futebol europeu!

Tomás Pipa 18 de dezembro de 2009 às 19:09  

posso sugerir um nome? Super Mário Jardel

Anónimo 19 de agosto de 2010 às 02:11  

I like use viagra, but this no good in my life, so viagra no good.