Arquivo Offensivo

27 de Maio de 1987, estádio Ernst Happel, Viena. FC Porto e Bayern Munique defrontavam-se na final da Taça dos Campeões Europeus. Os portuenses chegavam com o rótulo de outsiders e com a imagem de apenas irem marcar o ponto e consagrar a festa do adversário perante um dos grandes colossos do futebol continental. Tricampeão europeu em 3 anos seguidos (1974-1976), o Bayern ultrapassou o campeão holandês (PSV), austríaco (Áustria de Viena), belga (Anderlech) e espanhol (Real Madrid dos míticos Hugo Sanchez e Jorge Valdano; 4-4 nas duas mãos), este último considerado por muitos como a melhor equipa europeia da altura. Já os portugueses venceram o campeão maltês (Rabat Ajax, 10-0 (!) nas duas mãos), checo (FC Vitkovice), dinamarquês (Brondby) e ucraniano (Dinamo Kiev).

Apesar do percurso mais competitivo dos alemães, da sua maior experiência em jogos europeus e do estádio a transbordar de adeptos germânicos, Pinto da Costa havia avisado que o Porto iria para lutar pela vitória e a equipa cumpriu!

O Porto entrou em campo com o polaco Mlynarczyk, João Pinto, Eduardo Luís, Inácio,Celso Jaime Magalhães, André, Sousa, Quim, Futre e o argelino Madjer.
Os alemães contavam com grandes jogadores como o belga Jean-Marie Plaff, Andreas Brehme e Lothar Matthäus e os perigosos Dieter Hoeness e Ludwig Kögl.

A primeira parte mostrou um Porto fraco e tímido que foi castigado aos 24’ com um golo de cabeça de Kögl após lançamento de linha lateral e consequente distracção da defesa azul.

Contudo, e segundo reza a lenda, o discurso de Artur Jorge no balneário ao intervalo galvanizou de tal modo a equipa que esta surgiu transfigurada e tomou as rédeas do jogo. O brasileiro Juary – o mítico abono de família do dragão, já que frequentemente entrava na segunda parte para resolver os jogos - , entrado logo no reínicio da partida pelo médio Quim, adicionou mais caudal ofensivo ao FC Porto e viria a constituir-se pedra histórica na vitória dos dragões.


Antes da igualdade, o lateral esquerdo Inácio saíu pelo médio Frasco aos 66’ e Paulo Futre fez uma jogada sublime com muitas parecenças com a clássica jogada de El Pibe em 1986 (para muitos o melhor golo de sempre), mas lamentavelmente atirou ao lado. Contudo, o mote estava dado!


Aos 77’ o canarinho recebeu a bola de André e perante a carga de um defesa alemão e a saída do guardião belga Jean-Marie Plaff, assistiu Madjer in extremis que fez uso do seu famoso calcanhar para anular a desvantagem.


O Porto reforçou a confiança e dois minutos depois calou a Europa: Madjer ganha espaço para o cruzamento com mais uma grande finta e retribui a grande assistência de Juary centrando para o brasileiro, desmarcado, encostar!


Até ao fim do jogo Paulo Futre e Juary ainda disposeram de duas hipóteses de alargar o marcador.


Após o jogo, Pinto da Costa, na presença de Artur Jorge e o capitão João Manuel Pinto, apelou à ida dos adeptos às Antas para a consagração do primeiro título Europeu do Porto, 3 anos após ter perdido a final das Taças das Taças para a Juventus e 25 anos após o Benfica o ter ganho pela 2ª vez na sua história.





P.S: O Settore estreia hoje uma nova categoria na sua barra lateral - "Futebol:um modo de vida". Aí serão partilhados frequentemente vídeos alusivos à filosofia inerente ao desporto rei ou a momentos da actualidade.

10 Passes de rotura:

Anónimo 28 de maio de 2010 às 10:09  

lol nao me venham dizer que foi o discurso de artur jorge que pos os jogadores a correr mais ao intervalo.
nao brinquem comigo, tá na cara que foi doping do forte!

Jorge Nuno 28 de maio de 2010 às 11:42  
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Pedro Veloso 28 de maio de 2010 às 12:25  

Jorge Nuno o vídeo foi posto por um sportinguista, o João. Nesta rúbrica - "Arquivo Offensivo" recordam-se momentos especiais e ontem passavam 23 anos do título europeu do FCP. E tento na língua, se não for pedir muito.

Lindo os jogadores quase todos a fazerem o V de vitória, popularizado na mesma altura pelo Cavaco Silva e o PSD.

O Jaime Magalhães ainda não era careca nessa foto lol.

Eu ontem estava a discutir isto com o João e talvez os portistas possam confirmar, tenho ideia que foi neste jogo que os jogadores do Porto - tipo o Futre - puseram o mister de lado e fizeram eles mesmo o onze. Se calhar estou a fazer confusão com outra partida, não sei.

João só uma correcção, o capitão do Porto era o João Domingos Pinto e não João Manuel Pinto, esse era o que depois marcou uma era com a sua (falta de) categoria no eixo central defensivo do SLB. Não, não vou falar dos passes para o Armando Sá como faço sempre lol.

portuguesesnoestrangeiro 28 de maio de 2010 às 12:37  

Bom post. De facto aquele golo do Madjer é muito bom.


Aproveito para sugerir a visualização de uma entrevista exclusiva de um jogador português no estrangeiro no meu blog:
http://portuguesesnoestrangeiro.wordpress.com/2010/05/28/2%C2%AA-entrevista-exclusiva-guilherme-ramos/

MentalitaUltra 28 de maio de 2010 às 16:55  

Adoro quando falam se saber e se limitam a atacar...Então, tão leitor assíduo que deves ser do blog que nem sabes identificar quem escreve, de que clube é? Para comentários desses mais vale estar calado..

Julgo que não foi neste jogo...

O único episódio de "força" do grupo de jogadores contra a direcção foi no famoso quente verão azul..

MentalitaUltra 28 de maio de 2010 às 16:55  

Adoro quando falam se saber e se limitam a atacar...Então, tão leitor assíduo que deves ser do blog que nem sabes identificar quem escreve, de que clube é? Para comentários desses mais vale estar calado..

Julgo que não foi neste jogo...

O único episódio de "força" do grupo de jogadores contra a direcção foi no famoso quente verão azul..

Tomás Pipa 28 de maio de 2010 às 18:27  

Veloso, só um aparte, quando corrigiste o João ao dizer que o capitão do FCP era João Pinto e que João Manuel Pinto do SLB também, esqueceste-te de dizer que João Manuel Pinto não só era jogador do SLB como era Capitão!Não me esqueço tão cedo!

João, o vídeo está excelente, na linha dos que nos tens mostrado! Futre é um extremo do crl, é mesmo à antiga, faz-me lembrar Chalana! Partia sempre os gajos todos!! Destaque também para o trabalho do Madjer para o golo do Juary!

Tento na lingua 29 de maio de 2010 às 01:38  
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo 29 de maio de 2010 às 04:08  
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
DEUS 8 de junho de 2010 às 21:20  

RECOS, SUINOS. FALO DOS AUTORES DO BLOGUE