Casos da Jornada (2)

Nesta 2ª jornada, como se previa, o facto de os grandes defrontarem três equipas de linha média/alta, que normalmente criam sempre muito problemas, resultou em jogos quentes, com polémica q.b.

Sporting-Braga:
- Penalty claro como a água, nas barbas do Olegário, por mão de Moisés, logo nos minutos iniciais. Teria que ser marcado, com amarelo correspondente (há quem peça o vermelho mas já acho exagerado)
- Na 2ª parte, Carriço carrega Meyong em falta. O lance é discutível, na altura pareceu-me um choque normal e a maioria dos especialistas não considera falta. Eu depois de rever várias vezes creio que o é, pois a bola (ainda) estava jogável e o central leonino só se preocupa em acertar no camaronês. Mas claramente dou o benefício da dúvida ao árbitro.
O resto dos lances não teve influência no resultado final. As outras quedas nas áreas foram perfeitamente legais, nomeadamente a do Matias “que-pensa-que-é-maradona-e-quer-furar-por-onde-não-pode-e-tem-um-bigodinho-cómico” Fernandez.
No saldo geral, creio que se pode afirmar, em virtude desta análise, que ao SCP lhe foi retirado um ponto.

Vitória de Guimarães-Benfica:

Pela primeira vez na vida, o meu consócio Pedro Proença se lembrou de tratar com mínimo respeito o clube do qual é afiliado, e conseguiu marcar um penalty claro a nosso favor. Teve outras decisões muito tendenciosas, como o amarelo ao javi aos 27 min depois de o Nuno Assis já ter três ou quatro faltas e não ver nada, e dar pontapé de baliza na defesa do Nilson ao remate do Aimar isolado é só para irritar. Mas pronto, em termos de decisões-chave:

- Primeira parte, choque de Douglas com Luisão na área perfeitamente legal- Penalty de Flávio Meireles é claro, e o amarelo também visto que há intencionalidade (e é isso que conta para questões disciplinares). Era o segundo, e como tal esse tipo que passa sempre impune finalmente foi expulso contra nós. Infelizmente, Tacuara voltou a falhar.
- Há depois um lance do Targino que passa pelo Luisão, que o tenta ainda derrubar, ficando isolado. Depois, perdeu tempo ao ajeitar para o pé esquerdo, e o D.Luiz cortou. Nelo Vingada contestou o facto de o Proença ter dado a lei da vantagem, mas era o que se impunha porque i) era fora da área; ii) o Targino ficou completamente sozinho, bola dominada, depois é que perdeu tempo. Se o Proença tivesse parado o jogo naquelas circunstâncias, os vitorianos ter-se-iam passado porque lhes tirava a possibilidade de marcar com um tipo isolado, só que como depois o extremo falhou quiseram voltar atrás. Assim não vale...
- Bem, agora vem o melhor. Conseguiram os vitorianos – e não só... – dizer que a falta sobre o Coentrão que deu origem ao livre do golo do Ramires...não existiu. Se a lei agora tiver passado a dizer que não se marcam faltas quando jogadores do SLB são puxados por trás, então é mal marcado. Mas ao que consta o International Board ainda não se decidiu por essa alteração.
- Finalmente, expulsão de Nuno Assis. Aqui sinceramente acho que há excesso de zelo. Os árbitros em Portugal continuam sem saber o que é uma picardia normal ou algo grave, nem o Coentrão nem o Assis levavam, por mim, amarelo. Para o Assis foi o segundo.
Em resumo, resultado não foi desvirtuado pela arbitragem.
Porto-Nacional
Foi um jogo em geral mais morno que os anteriores, mas do nada surge um lance muito polémico.

Falta de Cléber na área por mão – é penalty, algo infeliz porque a bola ressalta no pé, mas ele está a aumentar a extensão do corpo e impede a bola de ir para a baliza. Depois, duas expulsões por excesso de palavras. Os especialistas da arbitragem – sobretudo os ex-árbitros – adoraram a manifestação de autoridade do João Ferreira. Eu por princípio – e até pelo que se discutiu aqui a semana passada em relação a jogadores do Porto, Moutinho, Postiga, etc. – acho que há situações e insultos que o árbitro não deve deixar passar em claro, agora há momentos em que ele também tem que perceber que os jogadores reajam um pouco mais a quente. Sobretudo quando ele tinha marcado canto e só depois – com toda a propriedade – mudou a conselho do auxiliar. É normal que a mudança tenha enervado os jogadores.

Portanto, em termos arbitrais ( e no jogo jogado também) resultado justo.

Conclusão:Sporting deveria ter mais um ponto, Benfica e Porto na mesma.

Classificação Ajustada dos grandes ao fim de 2 jornadas seria assim:
- Porto e Benfica 4 pts
- Sporting 2 pts

Como anunciado, podem discordar até ao início da próxima jornada, e o veredicto será revisto caso se justifique.

20 Passes de rotura:

Anónimo 25 de agosto de 2009 às 19:47  

Confirmo tudo.

Quanto às expulsões do Nacional tenho a mesma opinião que o Pedro, depois de o árbitro mudar a decisão que tinha tomado, é normal que os jogadores reajam de uma maneira difernte, e como diz o M.Machado e bem, o árbitro deveria ter um pouco de sensibilade, porque, apesar de ser quanto a mim penalty, o Nacional é prejudicado (e bem )com uma grande penalidade contra e duas expulsões (e mal) ou seja, acho um castigo excessivo para apenas uma mão. Para variar o árbitro quer ser sempre o melhor em campo, não percebem que assim só estragam o jogo.
Quanto ao SLB nada a apontar.
Tomás

Duarte 26 de agosto de 2009 às 16:32  
Este comentário foi removido pelo autor.
Duarte 26 de agosto de 2009 às 17:22  

Em termos de arbitragem, no Sporting x Braga, confirmo que há um penalty que fica por marcar a favor dos leões. No entanto, parece-me também que há um outro que não é marcado a favor do Braga, quando Carriço faz tropeçar, a meu ver, Alan dentro da grande área.

No Guimarães x Benfica tenho algumas considerações a fazer. Não há penalty nenhum do Luisão, concordo. Como também concordo que a mão do F. Meireles é clara e merecedora do amarelo. Só não percebo como é que na semana passada achaste que o penalty do D.Luiz não foi merecedor do amarelo para o jogador brasileiro e, agora, achas que o Proença fez muito bem em amarelar o jogador do Vitória. Em relação a isto também só me resta acrescentar que o penalty foi absolutamente desnecessário e incompreensível e que, na época passada, quando o Felipe Lopes do Nacional teve uma atitude idêntica, no jogo contra o Porto, após remate de Guarin, levantaram-se logo inúmeras vozes de indignação, abrindo suspeitas em relação à acção do homem do Nacional. Agora os mesmos (Fernandos Guerras, Josés M. Delgados e lda) calam-se que nem ratos. Eu, sem querer sugerir que o F. Meireles cometeu aquele acto propositadamente, pergunto-me quanto valerá a amizade de Vieira com Emílio Macedo.

Só uma última coisa em relação a este jogo. Acho que a falta que dá origem ao golo do Ramires é também ela muitíssimo discutível, lances daqueles existem aos montes e, quando dentro da área, nunca são marcadas faltas.

No Porto x Nacional penso que não há muito a dizer. O único lance realmente polémico foi o do penalty convertido pelo Falcao. A falta existe, se foi assinalada pelo auxiliar ou pelo árbitro principal é indiferente e não desculpa a atitude dos jogadores da equipa visitante, por isso não posso concordar com o Tomás. O jogador que comete falta, o Cleber se não estou em erro, leva o primeiro amarelo pela infracção em si e o segundo por palavras. Já o Clebão deve ter revelado algumas coisas ao árbitro sobre a vida privada da senhora sua mãe, digo eu, porque se não foi isso, foi algo do género. Se há quem ache compreensível a revolta dos jogadores do Nacional expulsos, era de bom tom, no mínimo, que pensassem a mesma coisa sobre Hulk, na passada jornada, que foi expulso num lance em que o árbitro não marca sequer falta, porque assinalou pontapé de baliza, algo que terá motivado a natural revolta do avançado do Porto. E claro, agora fico à espera que os jogadores da equipa madeirense sejam suspensos dois jogos, ou não fossem o dr. Ricardo y sus muchachos os donos da coerência e da verdade desportiva.

Duarte 26 de agosto de 2009 às 19:19  

Quanto ao jogo jogado. No Sporting-Braga assistiu-se a uma excelente partida dos bracarenses. Alan esteve imperial, tal como já aqui foi falado, Hugo Viana está a revelar-se uma grandesíssima contratação e Meyong continua a facturar como sempre. Mas para mim o maior destaque vai mesmo para o João Pereira. Não porque seja anormal vê-lo jogar bem, mas precisamente porque este jogo vem numa sequência de boas exibições que tem feito ao serviço do Braga. Tenho para mim que no Benfica seria titular indiscutível, com ou sem Maxi Pereira a 100%.

Já o Sporting está apenas a confirmar aquilo que já escrevi num post recente. Uma equipa com ideias completamente esgotadas e com resucrsos limitados. Há um desgaste claro da figura do treinador e, ao contrário do que este diz, não é pelo facto de estar a cumprir a sua quinta época, mas porque durante este período não conseguiu um único campeonato e se ficou sempre à frente do Benfica foi mais por demérito dos encarnados do que pelo futebol, quase sempre paupérrimo, que apresentou. É verdade que o clube está sem dinheiro e que o plantel não tem muitas soluções, mas se por exemplo um jogador banalíssimo como Rui Patrício é hoje titular indiscutível, é porque o treinador entrou desnecessariamente em rota de colisão com Stojkovic, esse sim uum excelente guarda-redes. Assim como parece incompreensível que Vukcevic tenha passado imenso tempo da época transata no banco, ou nem isso, que a experiência de Caneira não esteja a ser utilizada nas faixas laterais da defesa, à falta de melhor, e que Tonel se tenha por e simplesmente sumido, sobretudo quando Polga tem estado em péssimo plano e o português, ainda por cima, é dotado de um excelente jogo aéreo que já garantiu alguns golos.

Relativamente ao Guimarães-Benfica é importante referir que foi um jogo que trouxe alguma qualidade. O Benfica de Jorge Jesus continua, pelo menos a mim, a não deslumbrar, muito longe disso. A vitória acabou por não ser totalmente injusta, mas o empate seria por ventura o resultado mais ajustado.

Destaques individuais para Ramires, que sempre disse ser uma grande aquisição. Marcou o golo da vitória num excelente cabeceamento e parece estar a enquadrar-se com a equipa. Do lado do Guimarães realço obviamente a exibição do Nuno Assis. Mas que senhor jogador que ele está, agora sem doping, espero. Já na época passada vi jogos dele que me deliciaram. Numa altura em que tudo e todos têm ido à selecção pergunto ao senhor Queiroz se também não deveria dar uma oportunidade ao médio vimaranense.

Já que falei no Nuno Assis, aproveito para fazer referência, por oposição, ao seu colega de posição que actuava do outro lado da barricada, esse génio que a nação benfiquista tanto exalta chamado Pablo Aimar. Palavra de honra que tentei ser bonzinho e ver o jogo dele com toda a atenção para ver se lhe via pelo menos algum rasgo que justificasse tantos elogios. O resultado foi zero! A sério Pedro, juro que tentei, mas não consegui. Se calhar não percebo nada de futebol, admito, mas depois de ver o Nuno Assis que aparecia em todo o lado a desequilibrar e construir, não entendo como os adeptos do SLB idolatram um jogador como o Aimar. Acho até que é uma ofensa para outros bons jogadores que passaram por aquela casa. Não tenho a menor dúvida que o Benfica ganharia muito mais em ter mantido o Nuno Assis do que em ter gasto quase 7 milhões no Pablo Aimar.

Outro que não esteve em bom plano foi o Saviola, o que também não me admira, embora a boa exibição para a Liga Europa, a meio da semana, possa servir como atenuante.

Duarte 26 de agosto de 2009 às 19:23  

O Porto foi o último dos grandes a entrar em campo, em casa, com o Nacional. Os dragões dominaram o jogo completamente, numa avalanche ofensiva que fez lembrar o Benfica com o Marítimo, mas que praticamente não foi referida pelos média, talvez porque Jesualdo teve o discurso adequado e não disse que tinham "jogado à campeões", isto apesar da vitória. O facto dos três pontos terem sido alcançados contra 9 elementos ajudou muito, o que não retira a boa exibição, até porque mesmo antes das expulsões o domínio do Porto era absoluto.

Varela, pese embora apresentar ainda alguns tiques de inexperiência, e Falcao foram as estrelas da noite. O colombiano está em grande, mais um golo para a conta pessoal, além da colaboração decisiva para o segundo tento. Realce ainda para o regresso do Rodriguez após lesão (e que falta fizeste tu, rapaz), o uruguaio dá outra classe ao onze e mais entusiasmo às bancadas. Estreou-se esta época a marcar, mais não se lhe podia pedir.

Duas notas negativas. A primeira para Mariano. Verdadeiramente inconsequente, não acrescenta nada e teve um falhanço de bradar aos céus após passe brilhante de Belluschi (outro dos destaques positivos, esqueci-me de referir). Para mim é inexplicável a insistência do Jesualdo nele. Quando Hulk regressar e se o Rodriguez e o Falcao não se lesionarem, espero que nem passe pela cabeça do professor outra coisa que não seja sentar o extremo argentino no banco, onde tem lugar e até é bem útil. Para finalizar, não posso deixar de ter pena que se esteja à espera que o Helton dê um daqueles frangos de antologia, algo que deve acontecer logo no primeiro jogo importante que o Porto tiver, para que seja dada uma oportunidade ao Beto.

PS- Já agora, só mais uma coisa: deixem ser o Belluschi a marcar os cantos. Com o Raul as bolas é raro sairem direitas. O R. Meireles é um grande jogador, mas o Quaresma também o era e quando insistiram que o rapaz havia de marcar os livres (que 90% das vezes iam contra a barreira) e os cantos foi o que se viu.

Pedro Veloso 27 de agosto de 2009 às 00:18  

Duarte, respondendo a várias afirmações tuas, sobretudo coisas que discordo:)

“No entanto, parece-me também que há um outro que não é marcado a favor do Braga, quando Carriço faz tropeçar, a meu ver, Alan dentro da grande área”

Esta também acho, tal como referi no post. Sei que é de difícil decisão mas que é penalty, é...

“Só não percebo como é que na semana passada achaste que o penalty do D.Luiz não foi merecedor do amarelo para o jogador brasileiro e, agora, achas que o Proença fez muito bem em amarelar o jogador do Vitória.”

Bem visto, já sabia que ias falar disso mas posso explicar;) Acredita que não estou a ser faccioso – se o fosse também tinha dito que, se a do Weldon não era, a do Cléber também não podia ser, sei distinguir os lances, o primeiro não é, o segundo é –, é somente a minha interpretação e se fosse ao contrário acharia o mesmo: eu acho que no do D. Luiz, como disse na altura, é penalty claro porque ele claramente joga a bola com a mão, mas não lhe mostrava amarelo porque ele não sabia o que estava a fazer, perdeu a noção da bola e sem querer levou a mão a ela, tal como podia ter levado à cara de alguém, por exemplo, foi um acaso infeliz. No caso do Flávio, a bola vem de frente para ele, que está sozinho, ele está a olhar para a bola, e leva as mãos ao esférico – não tem desculpa nenhuma. Não sei o que lhe passou na cabeça, mas é exactamente como o caso do Fellipe Lopes, foram jogadas burras, mas a intencionalidade parece-me indiscutivelmente muito maior que no lance do David. Aliás no caso do Lopes, talvez até um vermelho se justificasse porque a bola ia para a baliza.

“Eu, sem querer sugerir que o F. Meireles cometeu aquele acto propositadamente, pergunto-me quanto valerá a amizade de Vieira com Emílio Macedo”

Descansa, a amizade deles passa mais por negócios de construção civil em Angola do que por viciações de jogos – isso é mais entre o António Salvador e Carlos Oliveira (presidente do Leixões) e o patrão do actualmente mais famoso motorista de Portugal.

“Acho que a falta que dá origem ao golo do Ramires é também ela muitíssimo discutível”
Desculpa Duarte, acho isso pura má fé. Nunca o dirias se fosse um lance com alguém do Porto. Diz-me, o Coentrão não é puxado? Não é um encosto daqueles que os jogadores se atiram para a piscina, é um puxão de camisola claro. Não há dúvidas nenhumas. Se o Fábio aproveitou depois fez muito bem. Olha lembro-me bem do Deco e do Barbosa, por exemplo, pararem inúmeras vezes lances em que continuavam com a bola, precisamente porque eram agarrados. E o árbitro só tinha que marcar falta. Só tens razão quando dizes que nunca se marca estas faltas na área, pois não, mas isso é falta de coragem dos árbitros.

Pedro Veloso 27 de agosto de 2009 às 00:19  

(continuação)

“Se há quem ache compreensível a revolta dos jogadores do Nacional expulsos, era de bom tom, no mínimo, que pensassem a mesma coisa sobre Hulk, na passada jornada, que foi expulso num lance em que o árbitro não marca sequer falta, porque assinalou pontapé de baliza, algo que terá motivado a natural revolta do avançado do Porto.”

Naturalmente não se compara, num (Hulk) discute-se uma falta fora da área, como tantas outras, no outro um penalty, ainda por cima inicialmente marcado como canto. Eu percebo perfeitamente a indignação do Hulk com a porrada que leva, que é vergonhosa (embora me lembre do gozo de todos os portistas com a história do “Deixem Jogar o Mantorras”, na minha opinião muito mais massacrado que o brasileiro), agora os lances de que falas têm claramente gravidade diferente, logo o grau de tolerância pode ser diferente.

“Tenho para mim que no Benfica seria titular indiscutível, com ou sem Maxi Pereira a 100%.”

Como disse num comentário anterior, discordo mas é uma opinião perfeitamente válida, já que o João é muito bom. Mas já agora, no Porto não o seria? Isto vale o que vale, mas no único sítio onde medem forças – na selecção uruguaia- até costumo ver mais o Maxi que o Fucile.

“Palavra de honra que tentei ser bonzinho e ver o jogo dele com toda a atenção para ver se lhe via pelo menos algum rasgo que justificasse tantos elogios. O resultado foi zero!”

Ponto prévio, o Aimar fez claramente um jogo muito fraco. Mas também é curioso só falares nele a seguir ao único jogo mau que ele até hoje fez esta época. Ou ele não tem vindo a jogar bem? Não percebo o que custa reconhecer que tem estado muito bem. Bastava teres recuado três dias, em que no jogo da Liga Europa ele foi o melhor em campo. O Aimar acusou muito o esforço (menos de 72 horas entre os dois jogos), tal como o Saviola, nem esteve para jogar mas o JJ não quis arriscar. Felizmente agora vai descansar.

“Não tenho a menor dúvida que o Benfica ganharia muito mais em ter mantido o Nuno Assis do que em ter gasto quase 7 milhões no Pablo Aimar.”

Pois eu honestamente não tenho a menor dúvida do contrário. Mas percebo que para os rivais do SLB fosse preferível que nós continuássemos com a classe internacional (ironia) do Nuno Assis. O Assis não me merece crédito, só mesmo pelo desempenho no ano do título - e mesmo aí discordo muito do propalado facto de ele nos ter dado o campeonato. Fez um grande jogo na estreia contra o Moreirense (em Guimarães, bem a propósito) e depois o resto foi mediano. A questão é que antes de ele entrar ainda pior estávamos, por isso é que se salientou. Mas nos restantes anos na Luz, então...tem pés obviamente, mas não se esqueçam da gritante improdutividade que sempre revelou, os toques de calcanhar parvos, a irritante falta de pé esquerdo (nunca lhe vi fintar para a esquerda, puxava sempre para o meio!!!). Ele é um jogador razoável mas para clubes de meio da tabela que jogam em contra ataque - pior que isso, é um ressabiadinho de primeira por ter saído do Benfica, como as suas atitudes dentro e fora de campo demonstraram (esquecendo-se vergonhosamente de como sempre o defendemos no caso do doping).

“talvez porque Jesualdo teve o discurso adequado e não disse que tinham "jogado à campeões" Lol e tu sempre a dar no JJ, não perdoas essa frase dele.

“Varela, pese embora apresentar ainda alguns tiques de inexperiência, e Falcao foram as estrelas da noite”
Gostas do Varela? Confesso que continuo a achar que não tem nível nenhum para o Porto, para mim é outro Djaló, muita corrida e capacidade de definição correcta zero. Acho piada dizerem dizer que "só" precisa de melhorar os cruzamentos, como se não fosse suposto um extremo centrar bem. Já o Falcao está a convencer sem dúvida, mas espero que seja sol de pouca dura (sendo suplente do Renteria na Colômbia a dúvida instala-se). Belluschi é que confirma ser craque, respira classe por todos os lados

Duarte 27 de agosto de 2009 às 02:34  

Bem, eu em relação ao Leixões lembro-me da vitória por 3-2 no Dragão. No que toca ao Braga lembro-me que foram a melhor defesa da prova no ano passado até jogarem com o Benfica, num jogo em que sofreram 3 golos ridículos, mas Jorge Jesus, a um ou dois meses de ser apresentado na Luz, teve só um mau dia, se calhar foi isso. Também me lembro que do Braga o melhor que o Porto conseguiu foi o empréstimo do Andrés Madrid, numa altura em que nem convocado era porque quando jogava regularmente foi pedido ao Porto 5 milhões de euros pelo passe, igual quantia pedida por um jogador que estava emprestado ao Penafiel, o Diego Costa, lembras-te?

Percebo a justificação que dás no caso da tua dualidade nos amarelos, mas não concordo com ela. Tudo porque concordarás que é impossível ao árbitro, naquela fração de segundos, em tempo real, sem camara lenta, perceber se o jogador está ou não enquadrado com o momento, se sabe ou não onde está a bola.

O Coentrão claro que foi agarrado, mas então isso também legitima que o senhor Proença tenha marcado penalty sobre o Lisandro no ano passado. É que a intensidade é igual, no minimo.

Se o árbitro foi insultado pelos jogadores do Nacional, nada justifica que continuassem em campo, fosse qual fosse a razão. Além disso o Cleber, pelo menosm devia estar consciente do que aconteceu, já que foi ele que cometeu a infracção. Parecia um guarda-redes e o único jogador que conheço que alia esse estatuto com o de jogador de campo é o Tonel, embora isso só aconteça quando o árbitro é o Bruno Paixão.

Não acho que o João Pereira fosse válido para o Porto. Não porque não tenha qualidade, mas porque já lá estão três laterais direitos. O Fucile (para mim melhor que o Maxi), o Sapunaru (espero vê-lo a jogar mais vezes este ano, porque no final da época passada fez excelentes exibições) e o Miguel Lopes (com excelente margem de progressão). Além disso falei no Benfica porque ele esteve lá e além disso, tu até podes gostar do Maxi, mas agora está lesionado e se tivermos em conta que Patric não caiu no goto do JJ e Luís Filipe foi uma solução de recurso, o J.Pereira faria imenso jeito.

Falei do Aimar agora, é verdade e tu acabas de me dar a justificação perfeita. Porque agora não havia ponta por onde pegar, o homem fez de facto um jogo péssimo. O vosso amor por ele é tanto que só neste caso, em que não tinham desculpa para o defender, é que poderia ler algo a seu desfavor vindo de um benfiquista:). Nos outros jogos pode não ter jogado tão mal, contra o Marítimo até esteve razoável, só que para quem custou o que custou parece-me curto. Além disso no ano passado tirando um golito para a taça da liga e um passe de letra em Guimarães não vi nada de tão extraordinário, pelo contrário. Mas o amor é assim, faz-nos perder a razão e não ver os defeitos, eu sei isso muito bem:).

Concordo que o Nuno Assis pode não ter brilhado na Luz, mas também acho que não foi devidamente aproveitado. Ao comparar a diferença exibicional entre ele e o Aimar na época passada e esta época, noto uma diferença abissal.

O Falcao era ou é suplente do Renteria na selecção, sim. No problem, o Benfica também quis muito o suplente do Renteria. Agora percebe-se porquê, devia ser para marcar os penaltys;). É verdade, nos sub-23 do Brasil o Kaká era suplente de um senhor chamado Léo Lima.

Duarte 27 de agosto de 2009 às 02:44  

Só mais uma coisa, não sou tão céptico como tu relativamente ao Varela. Não o acho um prodígio, mas acho-o um bom jogador e que, com trabalho, se pode tornar ainda melhor. Também estou lone de achar que ele é um extremo, nunca o foi. É um avançado que joga ao lado do ponta de lança, tal como o Hulk, sendo que para mim os dois são incompatíveis, precisamente por isso.

Pedro Veloso 27 de agosto de 2009 às 03:33  

" No problem, o Benfica também quis muito o suplente do Renteria. Agora percebe-se porquê, devia ser para marcar os penaltys"

Lol grande resposta Duarte, mesmo benfiquista não pude deixar de me rir:)

"É verdade, nos sub-23 do Brasil o Kaká era suplente de um senhor chamado Léo Lima."

Não sabia mas não me admira, a esse talento nunca faltou. Aliás, e armando-me em conhecedor do campeonato brasileiro, está a fazer uma grande época com o Goiás. Pelo menos aparece muito nos resumos:) Mas acho que quando o Pedroto disse um dia a famosa frase "um brasileiro é bom, dois talvez, três uma escola de samba", era num tipo como o Leo Lima que ele estava a pensar para o lugar de 3º brasileiro - nele, no Carlos Alberto, Roger, e outros que tais:)

O Aimar por agora pode parecer só amor, mas vais ver que no fim do ano se prova que também é uma admiração racional! Prometo!

O Licha não foi agarrado nesse lance, atirou-se contra o braço do Yebda...

Eu sobre o Leixões estava mais a pensar no jogo da 2a volta com o Porto, com um penalty parvo, o Beto feito estátua, etc.; não por acaso no final desse jogo muitos adeptos do Leixões se revoltaram contra a ligação do presidente do clube - e, por arrasto, do próprio clube - ao FCP. Sobre o Braga não tenho um jogo para falar(acho que é este ano, com o Domingos ao leme), mas a aliança entre os dois presidentes e clubes é por demais evidente. Como se viu nas dificuldades causadas ao JJ para se tranferir para a Luz ou nas bem encomendadas declarações de Salvador e Domingos sobre o Jesus

Anónimo 27 de agosto de 2009 às 20:30  

Duarte, o Káká foi suplente do Léo Lima é um facto (tb li essa notícia há algum tempo), mas foi nos sub-17 e não nos sub-23, é bom não esquecer que o Káká foi titular do São Paulo desde os 18 anos e aos 21 anos foi campeão do mundo na Coreia. No início da carreira sénior, Káká foi suplente no São Paulo do....Harrison!!

Braga e FC Porto são claramente aliados, até um cego vê isso, trocam jogadores e treinadores excedentários. Braga já recebeu Adriano,Alan,Rentería,L.Aguiar,Domingos Paciência,J.Costa,Rogério Gonçalves, C.Peixoto,Diogo Valente,Jorginho,Hugo Leal,Maciel,Bruno Gama,Cândido Costa,etc..

Em contra-partida o FC Porto também recebe os excedentários do Braga como já aconteceu com o A.Madrid,Jesualdo Ferreira e Orlando Sá.

Duarte, mas ficas irritado pelo Salvador ter pedido 5M€ ao FC Porto pelo A.Madrid quando ele andava a jogar muito? Olha nós comprámos metade do J.Alves por 2,8M€.O Salvador sempre vendeu muito bem, ou agora achas que por ser para o FC Porto tem que ir de graça como fazem a maioria dos clubes pequenos com medo?

Tomás

Pedro Veloso 27 de agosto de 2009 às 23:53  

Por acaso tocaste num ponto importante Tomás, o Salvador de parvo não tem nada e faz sempre grandes negócios. E não é só nas vendas de jogadores. Ainda estou para saber como, sendo ele tão ligado ao Porto - embora agora seja mais do que na altura - a Britalar, sua empresa de construção civil, conseguiu sacar o contrato de construção do Caixa Futebol Campus do SLB no Seixal...

Dessas promiscuidades todas só o Jesualdo é que acho que está a mais, já que foi do Braga para Boavista e não para o FCP. Da alegada aliança SLB-Vitória é que factos concretos só se pode falar do empréstimo do Luís Filipe o ano passado.

Outro aspecto curioso recentemente foi o PC ter faltado a um jogo do FCP Peace Cup para ir ao jogo de apresentação do Braga. Enfim, o Minho é mais perto, compreende-se.

Tomás ainda não comentaste - certamente por omissão - o lance do Carriço e Meyong no sábado. Concordas que é penalty, certo?

tomaspipa 28 de agosto de 2009 às 01:27  

Sobre esse lance já tinha falado contigo antes e já te tinha dito a minha opinião. É um lance polémico, a mim parece-me um choque normal, admito que pudesse ser marcado penalty, mas também admito que o árbitro tenha decidido bemeles estão lá para decidir os lances de dúvida e esse era um caso desses. Por mais que a decisão se alterasse ou não, haveria sempre polémica,por isso dou o benefício da dúvida ao árbitro. Eles não estão lá é para ver coisas que não viram e não ver coisas que viram.

No Fiorentina-SCP é que vi dois penaltys, um do Polga, que há primeira vista não me pareceu, mas depois no resumo confirmo que é penalty sobre o Jovetic e um do P.Silva, P.Silva na própria área ganha posição e tenta cavar a falta "à pepe", cai sem falta e agarra a bola como se fosse óbvio, quanto a mim não era falta sobre o P.Silva e era penalty contra o SCP por mão do lateral direito, mas duvido que exista algum árbitro no mundo que marque um penalty desses.

Tomás

Duarte 28 de agosto de 2009 às 03:30  

Pedro:

No que toca ao Leo Lima guardo apenas um bom momento: os berros que ouviu do Co Adriaanse na pré-época. Nunca fui um entusiasta dos métodos do holandês, mas aqueles berros souberam-me pela vida. Tudo porque no ano anterior algumas primas donas que lá andavam (Léo Lima incluído) passaram a época a gozar com a cara dos sócios. Ainda para mais, o brasileiro em questão tinha dito no aeroporto que estava feliz porque naquela temporada ia haver alguém com mão de ferro, coisa que segundo ele tinha faltado a Couceiro, o que também não me espanta, mas essas coisas não devem ser ditas publicamente. Parti-me a rir quando, umas semanas mais tarde, passei pela Foz e o vi à saída de casa, a pôr as malas no carro para voltar ao Brasil, depois de ter sido dispensado. Pode parecer exagerado, mas ao ouvir os berros de Adriaanse apoderou-se de mim uma enorme alegria e a certeza de que seriamos campeões. Mais do que isso, foi uma sensação de alivio, Co Adriaanse fez aquilo que na época anterior eu própio fiz várias vezes, mas da bancada, onde também sentia a frustração de não poder estar cara a cara com aqueles mercenários.

Quanto aos negócios com o Braga, é óbvio que eles existem, mas é como dizes, o António Salvador é um excelente negociante e não faria nada que prejudicasse os Bracarenses. A escolha do Domingos parece-me tão normal quanto acertada. Os minhotos tinham perdido o seu treinador e tiveram de contratar outro e o Domingos reunia um perfil excelente. Um jovem, com bons trabalhos efectuados no Leiria e na Académica. Não vejo qual o mal da sua escolha, do mesmo modo que não vislumbro nada de negativo por Nelo Vingada, homem que já esteve ligado ao Benfica, ser o novo treinador do Vitória de Guimarães.

Já agora porque te referes aos nomes de jogadores e treinadores que o Tomás referiu como promiscuidades? Não percebo muito honestamente. Que mal tem o Porto ter cedido jogadores ao Braga e vice-versa? Se os clubes têm excelentes relações, que mal há nisso? Reconheces mérito ao Salvador, mas não estás a querer dizer que ele em algum momento terá dito aos seus jogadores para perderem contra o Porto? Olha, para mim o grande favor que o Braga nos fez foi ter ganho 1-3 no Dragão em 2005,porque foi esse jogo que ditou o despedimento de Fernandez, embora depois o seu sucessor tenha sido mais desastroso, portanto nem isso sei se foi um favor.

Por último, classificares a aliança Vitória/Benfica, como "alegada" é de partir a rir, brincar tudo bem, agora com a minha inteligência é que não:). Não te chegou a junção de forças entre os dois para tirar o Porto da Champions? E queres-me fazer crer que as participações do Benfica no torneio daquela cidade são só coincidência? Isto para além do M. Cajuda, que tão efusivo é nas suas análises à arbitragem, ter ficado tão molezinho quando, julgo que para a Taça da Liga, o Benfica foi beneficiado e o Vitória prejudicado.

Duarte 28 de agosto de 2009 às 03:48  
Este comentário foi removido pelo autor.
Duarte 28 de agosto de 2009 às 03:55  

Relativamente ao Leixões, não me espanta a fúria dos sócios. Vives no centro/sul e aqui no centro/norte a rivalidade é grande entre alguns clubes, sim, só que no caso ela só existe dos adeptos dos clubes mais pequenos da cidade do Porto para com o maior, o FC Porto. O contrário não se passa, os portistas até têm tendência para apoiar o Boavista ou o Leixões, até mesmo quando estes jogam contra adversários com quem o Porto não tem nenhuma rivalidade. A isto eu chamo complexo de inferioridade, que é mais visível no Boavista, mas também existe no Leixões.

Esses adeptos devem ter sido os mesmos que tentaram agredir uma jovem de 13 anos e que espancaram o seu pai, só porque ambos traziam um cachecol azul e branco cada um, no jogo com o FCP. E provavelmente serão também os mesmos que deram corda aos sapatos quando os milhares de Super Dragões que se deslocaram a Matosinhos começaram a abandonar o estádio. Sim, porque para bater em pessoas de idade e menores não falta coragem, mas para chegar aos matulões já é precisa prudência.

Pois, essa gente deve estar esquecida que foram nomes como Paulo Machado, Vierinha ou Diogo Valente, que estavam emprestados pelo Porto, que os safaram de serem relegados para a segunda liga em 2007/2008. O mal é que alguns deles preferem ver o Leixões em 15º e o Porto em 16º, do que os dragões em 1º e o seu clube em segundo. Se fosse no caso dos boavisteiros era justo dizer que não eram só "alguns deles", eram 90% e já estou a ser brando.

Eu próprio tenho vários amigos leixonenses e não fossem as suas "provocações" ao meu clube, não teria prazer nenhum em escrever o que escrevi.

Concluindo e resumindo, para algumas dessas pessoas, ver o seu clube do coração ser goleado em casa com o Porto, dói, dói muito e quando isso representa o regresso à terra, magoa ainda mais. A partir daqui, todos os disparates são válidos para saciar a raiva, ainda para mais com a plateia benfiquista a aplaudir, e de pé:).

Duarte 28 de agosto de 2009 às 04:08  

Tomás:

Não fico minimamente irritado pelo Salvador ter pedido 5 milhões pelo Madrid e pelo atleta que tinha emprestado ao Penafiel. Porém isso só prova que as relações entre Porto e Braga nada têm de subserviência. Claro que o convívio é excelente, isso não nego. Só que ninguém pode, de cabeça fria, dizer que o Braga tenha feito algum jeitinho ao Porto dentro das quatro linhas nos jogos entre estas duas equipas.

Ainda em relação ao Leo Lima, não sabia que tinha sido na sub 17 que tinha tirado o lugar ao Kaká, pensava sinceramente que era na sub 23, mas acredito em ti. O que pretendo dizer é que isso de ser suplente do Renteria não prova nada, muito pelo contrário. Até porque posso dar outros casos.Por exemplo, hoje vi um senhor na tv que foi entregar o prémio de melhor guarda-redes da Europa ao Van der Sar, um troféu que esse mesmo homem já havia vencido em 2004. Pois bem, essa pessoa nesse ano não participou no Euro 2004 porque por sua vez um outro indivíduo, que agora anda a treinar algures no Usbequistão, preferiu chamar uma outra personagem que, por seu turno, não serve nem para uma equipa que esta época vai militar na segunda divisão de Espanha.

O Falcao está a provar ser uma excelentíssima contratação, não é à toa que tinha alguns clubes europeus atrás dele e que foi uma das figuras cimeiras do River Plate nos últimos anos. Aliás, como adepto de futebol, entusiasma-me e admira-me muito mais o legado do River do que o da selecção colombiana.

Pedro Veloso 28 de agosto de 2009 às 12:17  

"Se os clubes têm excelentes relações, que mal há nisso? Reconheces mérito ao Salvador, mas não estás a querer dizer que ele em algum momento terá dito aos seus jogadores para perderem contra o Porto?"

Duarte se leste bem o que eu disse viste que afirmei que não tenho nenhum jogo para apresentar como tendo sido viciado. E até digo muito sinceramente que não acho que o Salvador seja gajo para deixar o clube vender resultados ao Porto. Mas quem começou as suspeições foste tú com o lance do Flávio Meireles, e como tal eu só quis dizer que, se formos a ver bem, em matéria de promiscuidades e ligações próximas é um bocado arriscado falares, os teus telhados são de vidro...:)De forma pragmática e pela lei das probabilidades, naturalmente somos levados a concluir que, pelo historial de "amizade", há muito mais possibilidade de haver resultados combinados entre o Porto e a sua rede de amigos do que entre SLB e VSC. Daí chamar promiscuidades ao facto de tantos jogadores terem passado nos dois clubes, só nessa lógica, de haver uma relação próxima entre os clubes. Já a aliança (retiro o "alegada", era a ver se passava:)) do Benfica é "de conveniência" - pelos negócios dos dois presidentes e precisamente por terem tentado que o Porto não fosse à Champioons - mas basta o Macedo saltar que a aliança morre.

No caso do Leixões referi o que veio a público nos jornais, que os leixonenses se tinham revoltado por o Carlos Oliveira ser tripeiro, mas também conheço mais ou menos o Norte porque aí tenho família e é notório esse complexo de inferioridade face ao FCP que apontas no teu comentário. É um pouco como os outros clubes de Lisboa, secundarizados pelo curso da História, face ao SLB. Tudo normal.

Claro que isso de ser suplente do renteria não prova nada, mas ajuda a mandar abaixo o Falcao, hoje em dia o 35º classificado na lista de odiozinhos para um bom benfiquista. A propósito, de há 16 anos a esta parte o 1º é aquele pseudo-treinador que agora está no grande Swansea. Fora de brincadeiras, acho que o Falcao se vai revelar excelente contratação e até não muito cara

Duarte 29 de agosto de 2009 às 00:40  

O 35º classificado? Quais são os outros 34, já agora?:) O primeiro é o Paulos Sousa, já percebi.

Pedro Veloso 29 de agosto de 2009 às 12:02  

Lol a brincar a brincar até que há muitos, porque a lista não é só jogadores! Hugo Leal, Miguel, Paulo Sousa, Pacheco, Jorge Ribeiro (e joga no SLB!!!!), Maniche, Rui Águas (saiu para o Porto em 88, depois é que voltou), Dito, Kulkov, Iuran, Vale e Azevedo, Manuel Damásio, Artur Jorge, Gaspar Ramos, Guarda Abel, Pinto da Costa, Reinaldo Teles, Guilherme Aguiar, Dias Ferreira, Eduardo Barroso, Liedson (só porque tem jeito para nos marcar, é um bom rapaz), Álvaro Pereira, Cristian Rodriguez, todos os árbitros da 1a categoria mais os já retirados Coroado, José Pratas, António Costa e Isidoro Rodrigues, mais todos os jornalistas desportivos menos o Carlos Daniel (que até acho que é portista e nem é puramente desportivo), Fernando Correia e José Marinho. Os da Benfica TV, Revista Mística e Jornal O Benfica também escapam! É muita gente, e nem conto com gajos tipo Panduru, Pedro Henriques, Kennedy e afins porque esses até foi um favor terem ido para o FCP:) Se fosse a pensar bem o Falcao era para aí o milésimo apenas