Sondagens

As últimas sondagens levadas a cabo pelo Settore focaram-se maioritariamente na realidade da selecção Nacional.


Numa votação renhida, 52% dos leitores concordaram com a suspensão de Carlos Queiroz pela FPF. No momento de escolher o novo seleccionador, 48% optaram por Paulo Bento e 7% por Manuel José e Manuel Cajuda. Luis Aragonés e Humberto Coelho, nomes bastante ventilados pela imprensa após o início da sondagem, tiveram margem menor. Realce para 22% dos internautas que optaram por nenhum dos referidos .

Disputada foi também a pertinência da convocação de Sìlvio e Nuno André Coelho. A chamada de Sílvio reuniu 50% dos votos contra a não concordância da convocatória completa que se singiu aos 41% . Apenas 8% concordaram com a opção de Carlos Queiroz.


Mais consensual foi a venda de João Moutinho ao FC Porto. Apesar das declarações do jogador sobre o assunto já após o início da iniciativa do Settore, 66% dos leitores referiram que é de todo impensável vender o capitão a um rival directo. 22% tiveram opinião contrária, referindo que o SCP procedeu correctamente visto que fez um bom negócio. 7% consideraram que as contrapartidas para o Leão foram insuficientes e 3% que este não devia ceder à chantagem do jogador.

Read more...

Liga do Settore - 3ª Jornada

(clique na imagem para ampliar)


Lembre-se:

- As apostas deverão ser deixadas na caixa de comentários até à data de início de cada partida.

- Use sempre o mesmo nick ou identificação durante a época.

- Para ver as anteriores jornadas clique no separador lateral da Liga do Settore.

Em caso de dúvida consulte o Regulamento!

Em breve serão definido o(s) prémio(s) a dar ao(s) 1º(s) classificados.

Read more...

Classificação Geral - 2ª Jornada

(clicar para ampliar)

A classificação geral da 1ª jornada sofreu uma alteração já que por lapso meu não contabilizei o ponto referente à vitória/empate/derrota nos RC. Deste modo, verificou-se o seguinte acréscimo de pontos:

Pedro Gasga + 2
Vasco +3
Manú + 1
João S. Barrreto +3
Tomás Pipa +1
João Gama +3
Mac +2
Adriana +2

É de realçar que nos casos em que o RC correspondeu ao jogo do Joker, estavam em falta a contabilização de 2 pontos. Com a reposição da verdade na tabela classificativa, Tomás Pipa e Vasco trocaram de posição respectivamente, assim como João e Manú.

Na 2ª jornada, o grande vencedor foi Pedro Veloso que subiu metade da classificação, trocando de posição com o estreante adversário Clode. Nos lugares cimeiros onde se verifica luta renhida, João Gama mantém-se o líder!

(clicar para ampliar)

- Caso se verifique um empate na classificação da Liga, o critério de desempate será o número de vezes que acertou no resultado final (4 pontos) e, em segundo lugar, a ordem de colocação dos prognósticos da última jornada.

Caso encontre algum erro na classificação, comunique!

Em caso de dúvida consulte o Regulamento!

Em breve serão definido o(s) prémio(s) a dar ao(s) 1º(s) classificados.

Read more...

Golo da Semana

Read more...

Tanto futebol para tão magro resultado!


Longe dos maus resultados acumulados na década de 90 nas deslocações ao estádio do Marítimo (a "Maldição dos Barreiros"), os últimos anos têm significado vitórias gordas no Caldeirão. E ontem o desfecho deveria ter sido o mesmo, não fora a noite desastrada do Benfica em matéria de finalização. No final, apenas um golo para amostra, magro pecúlio para uma excelente exibição, sinal do cada vez mais evidente crescimento da equipa para patamares próximos dos demonstrados na época passada. Não só a nível ofensivo, com jogadas de grande qualidade técnica ao nível do melhor Benfica de Jesus, mas também pelo facto de a equipa ter somado o terceiro jogo sem sofrer golos, mérito da subida de forma dos defesas e da cada vez maior confiança de Roberto - ontem deu pontos!

Para a visita à Madeira, Jesus não contava com Pablo Aimar e Rúben Amorim, pelo que em relação à vitória no derby mexeu o menos possível no onze. Entrou apenas Nico Gaitán, para o flanco direito (ele que é canhoto), com Carlos Martins a derivar para o meio e substituir El Mago na organização do jogo ofensivo encarnado. Papel que, aliás, desempenhou de forma excelente durante todo o jogo, com aberturas para todos os gostos, raça no auxílio a Javi e grande regularidade exibicional. A selecção deve chegar esta semana, com todo o mérito. Do lado contrário, o jovem técnico Pedro Martins apresentava um 4x2x3x1 com Baba sozinho na frente, Djalma do lado esquerdo do meio-campo e um bom nº10, Danilo Dias, a seguir com atenção.

Depois de um quarto-de-hora inicial morno, começou o Benfica a tomar decididamente o controlo do jogo. Não só por iniciativa de Carlos Martins, mas também pela acção de Gaitán do lado direito; o argentino, chamado à selecção esta semana, conseguiu gizar bons lances pela direita e combinar várias vezes também com Saviola, ontem de volta às movimentações e tabelinhas perigosas a que nos habituou, dando sequência à boa segunda parte com o Sporting. O pior foi a finalização...por duas vezes falhou na cara de Marcelo (em ambas, na sequência de excelentes iniciativas de Gaitán), noutra jogada fez uma finta a mais já perto da baliza e noutra foi rasteirado na área em mais um penalty por assinalar (por falar em penalties, deve-se ter falado disso em mais um encontro à luz das velas realizado esta semana). Um penalty em que os comentadores da TVI encontraram mil desculpas para o erro do árbitro, para depois garantirem que o Maxi cometeu outro que nem o Tribunal d'O Jogo considera como tal.

No final do primeiro tempo, e com nova perdida incrível de Gaitán pelo meio, dois contra-ataques maritimistas, até aí pouco acutilantes, levaram grande perigo à baliza de Roberto - em ambos os casos, muito bem o espanhol. Teria sido trágico levar um golo à beira do intervalo. No reinício, e retomando o saudável hábito da época passada de entrar muito forte no segundo tempo, mais um par de perdidas escandalosas, desta feita obra do matador de serviço, Cardozo. Era o desespero, a fazer lembrar um célebre jogo há uns anos, era o Fernando Santos o treinador, em que empatámos a zero em casa com o Boavista com três bolas nos ferros e o William a defender tudo. Felizmente, logo a seguir um contra-ataque bem delineado, com Carlos Martins (que passe!) a lançar Saviola pela direita e este a centrar para o lado contrário, onde Coentrão dominou e rematou cruzado para o único tento da partida.

Estava feito o mais difícil, Jesus respirou de alívio e a partir daí, depois de uns dez, quinze minutos em que mantivemos o ritmo e poderíamos ter ampliado a vantagem, a equipa preocupou-se mais em garantir que não dava veleidades ao adversário de empatar o jogo. Fê-lo bem, diga-se, defendendo com tranquilidade (e o Roberto está cada vez mais confiante no jogo aéreo, algo fundamental nestas fases de chuveiro adversário), embora me pareça que depois perdemos qualidade nas transições com as substituições. Gostei do Salvio, bastante agressivo e com pormenores de qualidade, já o Jara continua a parecer-me demasiado ansioso por mostrar serviço, o que o leva a decidir mal demasiadas vezes. O Airton esteve bem ao lado do Javi.

Três pontos no bornal, um jogo muito bem conseguido, e a garantia de que vamos ter um Benfica muito forte novamente. Já estamos é atrasados face ao FCP, resta-nos pois - e a equipa para já está a responder bem a isso - fazer de cada jogo uma final e acreditar que é possível recuperar. Até porque estamos ainda na sexta jornada...Numa competição completamente diferente, a Champions, segundo embate na quarta-feira, perante um Schalke que se tenta reerguer depois de um início péssimo de época. Conta para isso, pelo menos, com excelentes jogadores e um ambiente infernal numa Genselkirchen de tão boas memórias para o futebol português e para o FCP em particular. Uma vitória seria excelente, até como tónico para a recepção ao Braga.

P.S. Parabéns à equipa de hóquei que hoje ganhou com todo o mérito a Supertaça perante o FC Porto, a ver se é este ano que lutamos pelo campeonato também nesta modalidade.

Read more...

Casos da Jornada 2010/2011 - 5ª Jornada

Paços - Braga

18': Contacto entre Rodriguez e Baiano na área bracarense, não houve falta.

30': Fora-de-jogo bem assinalado a Lima.

87': Caso do jogo, parece bem decidido por João Ferreira e sua equipa. O remate de Manuel José, desviado por Paulão, vai à barra e depois terá batido fora. Como diria Rui Santos, apelo às novas tecnologias.

Resultado correcto.

Benfica - Sporting

9': Javi García chega atrasado para cortar a bola e derruba Liedson num contra-ataque. Amarelo sem discussão. Na confusão que se seguiu, Coentrão também devia ter sido admoestado por empurrar A.Santos.

21': Amarelo muito exagerado a Valdés, que tive a nítida sensação que o árbitro mostrou para segurar o jogo (o que não percebo de todo).

43': Amarelo inacreditável a Coentrão, num mergulho descarado de Liedson, quando a bola já estava a caminho de Roberto.

50': Cardozo domina a bola com o peito no segundo golo encarnado. Não houve falta.

65': Maniche acerta com um toque algo maldoso no joelho de D.Luiz, amarelo deveria ter saído.

72': R. Amorim, já amarelado, domina uma bola com o braço. A bola ia para fora e não se cortava nenhum passe do Sporting nem jogada prometedora, pelo que não há lugar a admoestação.

Resultado acertado.

Nacional - FCP

18': No lance que dá origem ao primeiro golo portista, o livre é bem marcado, já que João Aurélio corta um cruzamento com o braço.

21': Na outra baliza, Bruno Paixão...muda o critério. Penalty flagrante de Rolando, que corta a trajectória da bola com o braço. O árbitro nada marcou.

42': Penalty também evidente de Tomasevic, que queria levar um braço de Varela para casa, tal a forma como o puxou durante vários metros. Bem o árbitro desta feita.

86': Choque entre Falcao e Bracali, sem falta sobre o colombiano.

Apesar do penalty contra por marcar, os números do resultado dão a vitória ao FCP.

Classificação Ajustada da Liga

FCP - 15 pontos
Benfica - 9 pontos
Braga - 8 pontos
Sporting- 7 pontos

Read more...

Arquivo Offensivo

Fábio Paim, o ex-menino prodígio de Alvalade, está de modo definitivo contratualmente afastado desta instiuição. Aposta pessoal do conhecido Paulo Torres, cumpre a 1ª época no Torreense e para poder voltar a brilhar está à procura da melhor condição física e, principalmente, psicológica.

Para muitos especialistas, Fábio Paim foi o maior diamante em bruto que passou pela formação de Alvalade, com um potencial que roça o inimaginável, a tal ponto constituir hoje um tema tabú em Alcochete. Apesar dos esforços do Sporting, o assédio dos maiores clubes e federações futebolísticas mundiais, a pressão dos grandes empresários do meio, o heroísmo e influência social e as fortunas ganhas precocemente conduziram a uma mentalidade incompatível com o sucesso num adolescente e, consequentemente, a este triste desfecho.

Aos 22 anos, tenta assim recuperar o seu potencial ou parte dele e relançar a carreira em Torres Vedras.



Read more...

Raça de Campeão


Tal como nas duas épocas anteriores, vitória por 2-0 do Benfica no derby eterno da Luz. Um triunfo justíssimo (menos para o Paulo Sérgio, claro, que com a sua incrível contagem de oportunidades de golo conseguiu ser menos lúcido do que qualquer dos jogadores leoninos que falaram no final), numa partida em que a equipa da casa jogava o tudo ou nada - e agora vai ser sempre assim, jogo após jogo, se ainda queremos lutar pelo título...


Como muitas vezes acontece, creio que o facto de apenas uma das equipas (o Benfica), por estar mais pressionada em termos pontuais, ter completamente interiorizado que só um resultado lhe interessava - ao contrário do SCP, envolvido no dilema de jogar para ganhar, uma vez que já estava a 5 pontos do Porto, ou de defender a vantagem pontual sobre o arqui-rival da 2ª Circular - foi decisivo. Tirando os primeiros 3 minutos, o Benfica jogou sempre com mais intensidade, garra, determinação e...qualidade. É, em condições normais, mais forte, e a subida gradual dos níveis físicos para patamares superiores já permitiu demonstrar ontem a sua superioridade, sobretudo na pressão que colocou quase sempre sobre o portador da bola. Para além disso, outros factores revelaram-se a meu ver decisivos para a supremacia encarnada, não necessariamente por esta ordem:

- A esmagadora diferença de alturas entre as equipas: o Sporting continua a não resolver este problema, e ontem o técnico fez até um mea culpa no final da partida por não ter tentado contrariar essa lacuna. Paulo Sérgio apresentou um onze com sete jogadores com menos de 1,80m (e o próprio Carriço tem apenas precisamente essa altura), frente a um Benfica que continua a contar com um eixo (D.Luiz e Luisão; Javi; Cardozo) que lhe permite dominar o jogo aéreo no centro do terreno e ser também muito forte nas bolas paradas defensivas (e aqui a maior tranquilidade de Roberto está a permitir melhorar também) e ofensivas;

- A excelente leitura táctica de Jorge Jesus, indiferente às opiniões dos adeptos que não podem ver o Peixoto nem pintado, colocando o ex-Braga a lateral e Coentrão à sua frente, por forma a poder travar o muito jogo que João Pereira habitualmente carrila pelo flanco. Para além disso, o mister mostrou ontem uma alma que parecia algo apagada com os resultados menos positivos, longe da garra e paixão habituais do JJ que nos empolga a todos na Luz, a vibrar no banco, gritar com todos, dando instruções sem parar quieto;


- A força do meio-campo encarnado, ontem muito acertado, desde Javi (excelente na recuperação e entrega de bola jogável, com passe curto, ao companheiro mais perto, como tão bem sabe fazer quando em boa forma) a Carlos Martins, desta vez até mais destacado pelo trabalho de sapa do que por grandes rasgos. A propósito, estou ansioso pela convocatória da selecção: apesar das divergências que tiveram no passado, como homem sério que é estou convicto que Paulo Bento vai chamar o melhor (único? Estou a descartar o Deco) organizador de jogo português da actualidade. Agora já nem podem alegar que não é titular. Também gostei muito do Ruben Amorim, descontando o disparate que ia dando o golo a Liedson; o ex-Belenenses disse na pré-época que queria arriscar mais este ano, e com efeito temos-lhe visto slaloms e assistências muito interessantes. Já se sabe que não sabe jogar mal, mas o carácter excessivamente low-profile do seu jogo, bem como a polivalência (no caso dele, é óptima para a equipa mas acho que o prejudica), acabam por lhe retirar algum brilho individual que um sócio desde o berço como ele é merecia;

- O grande jogo de Cardozo, um dos melhores da sua carreira de águia ao peito (a este nível, talvez só um na Champions de 2007/2008, frente ao Celtic na Luz, em que marcou o golo da vitória a acabar depois de ter enviado duas bolas nos ferros). Reconciliou-se com os adeptos, sobretudo pelo bis mas também pela atitude completamente renovada; correu, lutou, chutou, fartou-se de ganhar bolas de cabeça aos centrais, e podia ter conseguido o hat-trick (devia ter feito golo naquele cabeceamento, nas outras oportunidades fez o que lhe competia mas não teve sorte);

- Deserto de ideias no meio-campo ofensivo do SCP: entre Valdés, Matías e Yannick, foi quase o zero absoluto. Apesar de tudo, o reforço que veio da Atalanta foi o único que se mostrou, embora sempre invariavelmente com a mesma jogada "à Nuno Assis": fintar sempre para dentro, sendo que depois ou metia no João Pereira à direita, ou tentava um centro. Vinha rotulado de extremo desiquilibrador, mas apesar dos bons pés não é nada desse género; Matías continua um autêntico calvário, a léguas do que o talento promete; Yannick, que de vez em quando faz boas partidas, passa depois jogos e jogos desaparecido. Obviamente há mérito do Benfica na anulação da criação de jogo por parte do SCP, mas estes problemas são já recorrentes. A defesa, nomeadamente no que toca aos erros de posicionamento (Nuno André Coelho muito mal), também comprometeu.

Numa noite em que demonstrou força e subida de forma, já com alguns momentos (mais nas transições do que em ataque organizado) ao nível do melhor da época passada (como a jogada de Cardozo ao poste ou a do quase-golo de Coentrão), o Benfica encurtou distâncias face a Braga e SCP. Agora é tentar ganhar o mais possível à espera que o Porto, sempre consistente, e também amparado nos momentos difíceis por quem de direito (já não é a primeira vez esta época...ontem o penalty do Rolando, com o árbitro perto e de frente para o lance, é um bocado descarado demais e em princípio, tal estava o jogo, o FCP nem ia precisar disso para ganhar), escorregue .

Relativamente ao árbitro do clássico, Carlos Xistra deu um autêntico concerto de apito e distribuiu mais seis amarelos (incrivelmente, somos a equipa da Liga com mais cartões, mais que uma qualquer Naval ou Setúbal, e seguidos do Marítimo, vá-se lá saber porquê...) quando podia facilmente segurar o jogo sem o fazer. Pelo menos não houve casos.

P.S. Desde a época passada que tenho o belíssimo equipamento suplente do SLB (o do ano transacto) a negro, mas, por preguiça ou indecisão quanto ao jogador que devia "honrar" (gosto de todos!), nunca cheguei a pôr número e nome nas costas...Mas ontem decidi. Não, nem vai ser o Tacuara, mas sim o Luisão. É a única coisa em que o posso homenagear;) Mais uma exibição notável de um grande capitão, o líder que aparece sempre nos grandes momentos. Um senhor. Pelo ar, pelo chão, sempre imperial, e mais uma vez interveio num golo. Como a maior parte dos benfiquistas, não gostei das declarações (deviam ter sido proferidas internamente) no Verão sobre a proposta do A.Madrid que alegadamente não lhe foi comunicada , mas, esteja contente ou não, o nº4 é exemplar dentro de campo. E já são 7 anos a comandar com categoria a defesa do meu Benfica, não é para todos.


Read more...

Liga do Settore - 2ª Jornada


(clique na imagem para ampliar)


Lembre-se:

- As apostas deverão ser deixadas na caixa de comentários até à data de início de cada partida.

- Use sempre o mesmo nick ou identificação durante a época.

- Para ver as anteriores jornadas clique no separador lateral da Liga do Settore.

Em caso de dúvida consulte o Regulamento!

Em breve serão definido o(s) prémio(s) a dar ao(s) 1º(s) classificados.

Read more...

Classificação Geral - 1ª Jornada

(clique na imagem para ampliar)


O vencedor da 1ª jornada da Liga do Settore foi João Gama, com um início de sonho pontuando em todos os prognósticos com grande eficiência! Contudo, é seguido à queima por Vasco que estabeleceu o 1º recorde de RC em 3!

Nesta jornada renhida o pódio é fechado pelo João S. Barreto ex aequo com Mac, beneficiando dos critérios de desempate.

- Caso se verifique um empate na classificação da Liga, o critério de desempate será o número de vezes que acertou no resultado final (4 pontos) e, em segundo lugar, a ordem de colocação dos prognósticos da última jornada.

Caso encontre algum erro na classificação, comunique!

Em caso de dúvida consulte o Regulamento!

Em breve serão definido o(s) prémio(s) a dar ao(s) 1º(s) classificados.

Read more...

Arquivo Offensivo

Hoje o Arquivo traz-vos perto de uma centena de golos de Gabriel Batistuta, o jogador que mais facturou pela selecção das pampas.

Read more...

Golo da Semana

Read more...

Casos da Jornada 2010/2011 - 4ª Jornada

V.Guimarães-Benfica


16': Golo legal de Edgar, que estava em posição regular no momento do passe de João Ribeiro.


22': Decisão errada do auxiliar Luís Marcelino, ao assinalar fora-de-jogo a Saviola quando este se isolava para a baliza.


37': Grande penalidade por assinalar a favor do Benfica, uma vez que Ricardo, na tentativa de aliviar a bola, pontapeia a perna de Aimar.


40': C. Martins vê amarelo num lance em que nem falta faz (cortou a bola limpamente sobre Toscano).


45': Javi García faz falta banal sobre um adversário e, educadamente, questiona o auxiliar sobre a infracção. Amarelo que não se percebe, quando tantas vezes há insultos aos árbitros e eles fazem ouvidos de mercador.


50': Olegário Benquerença, a 5 metros do lance, faz vista grossa a uma carga de João Alves sobre Carlos Martins dentro da área. Novo penalty por marcar para os encarnados.


58': Cardozo vê-lhe ser assinalado um fora-de-jogo no limite. Uma vez que qualquer parte do corpo (excepto os braços) contam para a marcação do offside, e ele me parece ter o tronco adiantado em relação ao último defesa vimaranense, aceita-se a decisão do fiscal-de-linha. Na sequência do lance, o paraguaio disparou para a baliza e viu um amarelo que me parece um exagero absurdo - não é propriamente um lance para perder tempo.


67': David Luiz, num lance em que nem toca em Toscano (mergulhou), vê mais um amarelo...


69': Alex (já com amarelo) tem uma entrada bastante perigosa sobre Coentrão, Luisão (capitão) vai falar com Olegário e este nem pensa duas vezes, saca outra vez do bolso.


Com os dois penalties por assinalar (0,75 de um golo cada, ou seja 1,5 golos no total), o resultado justo seria a vitória do Benfica.


Sporting-Olhanense

38': No caso do jogo, a jogada do golo de Jardel não deveria ter sido interrompida. O árbitro André Gralha terá assinalado uma falta sobre André Santos, supostamente agarrado por Yontcha, mas errou uma vez que as imagens mostram apenas agarrões mútuos e, no caso, até mais o avançado a tentar libertar-se do agarrão do trinco leonino. Por maioria de votos na caixa de comentários, por parte dos leitores, e uma vez que o lance foi anulado uns segundos antes do golo ter sido marcado, considera-se que não há golo anulado.

90': Fora-de-jogo à pele tirado a Saleiro, mas correcto.


90+4': Apesar de quase todos os comentadores não o considerarem, na minha opinião há penalty cometido por Maurício sobre Liedson. A ideia que ficou na altura é de que o central foi (e é) bem mais forte, mas houve também uma carga ilegal com o braço.


Sem golo anulado, e uma vez que há um penalty a favor do SCP, o resultado ajustado é a vitória do Sporting.

FC Porto-Braga


31': Choque entre Elderson e Falcao, sendo que o bracarense tem a posição ocupada e depois há um contacto normal. Nada a assinalar.


52': Novo lance na área visitante, neste caso com Falcao e o central Rodriguez. Apesar de não ser muito intenso, a verdade é que desta feita Falcao se vê ilegalmente empurrado pelo adversário, o que, naquela posição, foi mais do que suficiente para o derrubar. A meu ver, penalty por assinalar a favor do FCP.


90': Outro caso da partida, com Paulo César a tentar o remate acrobático e a falhá-lo, sendo que Belluschi está nas suas costas e interfere com o lance. Com o avançado no ar, um toque nas costas faz a diferença, pelo que creio que Pedro Proença (gostei da forma como deixou o jogo fluir nesta partida) deveria também ter marcado uma grande penalidade a favor do Braga.

Vitória portista sem contestação.

Classificação Ajustada da Liga

FCP - 12 pontos
Braga - 7 pontos
Sporting - 7 pontos
Benfica - 6 pontos

Nota: A verde as alterações resultantes do facto de se ter mudado o veredicto no lance do golo de Jardel.

Read more...

Tiro no Pé

Depois da vitória do Vit. Guimarães na 6ªFeira, o Sporting entrou em campo no Sábado muito pressionado para ganhar os 3 pontos uma vez que o Vit. Guimrães somou 8 pontos e o Sporting tinha que ganhar para não perder o comboio do FC Porto/Sp.Braga/Vit. Guimarães (mais tarde viu-se que o comboio do FC Porto era mais veloz).

Paulo Sérgio fez apenas uma alteração no onze inicial em relação ao jogo da Figueira da Foz e, a que fez era previsível: João Pereira regressou à equipa para o lugar de Abel. Os reforços de última hora, Hildebrand e Tales de Souza foram apenas convocados para dar autógrafos na Loja Verde durante a tarde de Sábado.

Paulo Sérgio continuou a apostar num misto de 4-2-3-1 com 4-4-2 losango. Em alguns momentos do jogo aparecia Yannick a extremo esquerdo, Matías a nº10 e Valdés a extremo direito. Em outros momentos do jogo Yannick juntava-se a Liedson na frente, com Maniche e Valdés a derivaram para a posição de interiores.
Daúto, treinador do Olhanense, ciente da importância dos laterais leoninos na tática do Sporting, optou por um 4-5-1 com as linhas muito recuadas. Daúto, lançou um meio-campo muito sólido com três elementos com características mais defensivas: Vinícius, o bem-regressado ao futebol português Nuno Piloto e Delson (o tal jogador que foi expulso na Luz aos 8' na época passada). Jorge Gonçalves e Paulo Sérgio foram mais médios-alas do que extremos para controlar as subidas de Evaldo e João Pereira. Yontcha jogou sozinho na frente.

O Sporting entrou em campo com um ritmo mais lento do que aconteceu na Figueira da Foz na 3ª jornada. Era do lado direito do ataque do Sporting que íam aparecendo as iniciativas de ataque dos Leões, normalmente feitas por João Pereira que aparecia constantemente a subir no terreno, iniciando assim um duelo com Paulo Sérgio que iria durar até ao fim do jogo. Já do outro lado, Evaldo teve poucas hipóteses com Jorge Gonçalves. No meio-campo havia pouco a fazer, André Santos, Matías e Maniche assumiam o jogo, mas na área algarvia Liedson e Yannick davam poucas linhas de passe. Valdés aparecia no jogo aos fogachos pela direita com alguma clareza, mas sem sucesso. A tática de Daúto estava a funcionar perfeitamente.

Só aos 21' surgiu uma oportunidade digna de esse nome. João Pereira (quem mais?) ganhou a linha como tantas vezes costuma fazer e centrou para Liedson que atirou à barra de cabeça. Não era o golo mais fácil da carreira de Liedson, mas o Levezinho estava sozinho e tinha mais que obrigação de fazer o golo.

No final da primeira parte, o Olhanense começou a crescer e aos 38' deu-se o caso do jogo. Pontapé de canto cobrado por Paulo Sérgio, onde Jardel (bom central) cabeceou já sem oposição e com o jogo parado para o fundo da baliza. À primeira (e segunda) vista parece não haver nenhuma irregularidade no lance, mas o árbitro marcou falta de Yontcha sobre André Santos antes de Jardel cabecear. Nenhum jogador do Olhanense reclamou a decisão, nem Yontcha (o faltoso) nem mesmo Daúto. É um lance que ficará para o nosso especialista na arbitragem, Pedro Veloso, analisar durante a semana.

Foi sem surpresa que se chegou ao intervalo sem golos em Alvalade. Por um lado o Sporting parecia não ter pressa para marcar, pelo outro, a equipa Olhão preocupava-se em garantir o pontinho.

Na 2ª parte, Daúto trocou Delson (indisposto) por Lulinha e passou a jogar em 4-2-3-1. Lulinha (craque de FM's antigos), reforço de última hora do Olhanense, foi jogar para nº10. Os alas Paulo Sérgio e Jorge Gonçalves subiram no terreno jogando assim mais perto de Yontcha. Daúto tinha percebido claramente no fim da primeira parte que o Sporting não estava tão agressivo como o costume e que, por isso, se arricasse um bocado mais, talvez fizesse matasse o tão famoso borrego. Com a entrada de Lulinha, André Santos viu-se obrigado a recuar no terreno e passar a ter algumas preocupações defensivas (até aí não tinha tido).

O início da segunda parte foi mais do mesmo: horrível. Durante os quinze primeiros minutos não se jogou futebol. Moretto viu amarelo por perder tempo (mas curiosamente continuou a perder tempo até ao fim do jogo). Paulo Sérgio e Maniche viram o famoso amarelo português num lance em que Paulo Sérgio agrediu Maniche e o árbitro sem saber o que fazer deu amarelo a ambos (um clássico da nossa arbitragem). Paulo Sérgio já deveria ter visto o amarelo na primeira parte devido à sucessão de faltas sobre o incoformado João Pereira.

O resultado continuava em 0-0 e por isso Paulo Sérgio sentiu necessidade de mudar a equipa. Saleiro e Vukcevic entraram para o lugar dos desinspirados Yannick e Matías aos 64'.

Logo dois minutos depois de entrar em campo, Saleiro falhou um golo muito fácil na recarga de um remate de Maniche. Falhanços destes custam pontos, e o Sporting tem especialistas a falhar golos destes para dar e vender: Postiga, Yannick, Saleiro, etc..

A 10' do fim, Paulo Sérgio lançou a sua última cartada, Hélder Postiga, o avançado que não marca golos, para o lugar de Nuno André Coelho. Daúto respondeu com a entrada do central internacional moçambicano, Mexer para o lugar de Jorge Gonçalves.

Aos 85' o Sporting desperdiçou uma oportunidade de ouro: Vukcevic sobre a direita tira um adversário do caminho à Simão (só que do lado contrário) e disparou com muita força de pé esquerdo, Moretto defendeu para a frente e na recarga, Maniche, guloso como sempre, aplica o seu famoso remate à padeiro (rematar sem pensar um bocadinho) para a bancada.

Até ao fim do jogo, nenhuma oportunidade de registo, o Olhanense aguentou bem as investidas de ataque do Sporting.

O resultado final acaba por ser justo. A organização defensiva do Olhanense foi merecidamente premiada com um ponto. Já a ineficácia e a falta de clarividência do ataque leonino fez com que o Sporting desse mais um tiro no pé neste arranque de época. Assim não vamos lá!

No Sporting sinal mais para João Pereira que continua a ser o jogador mais dinâmico da equipa e que neste jogo carregou a equipa quase sozinho. Na minha opinião o João Pereira tem que ir à selecção!

No Olhanense sinal mais para Jardel (excelente central ex- Estoril) que ganhou praticamente todos os lances de cabeça e para Paulo Sérgio/Jorge Gonçalves pela importância que tiveram no esquema montado por Daúto.

O Sporting está agora a 5 pontos do líder FC Porto, o que começa a ser uma distância grande, uma vez que só se jogaram 4 jornadas e nenhum dos pontos perdidos foram contra um adversário mais forte.

Read more...

Liga do Settore - 1ª Jornada

(clique na imagem para ampliar)


Lembre-se:

- As apostas deverão ser deixadas na caixa de comentários até à data de início de cada partida.

- Use sempre o mesmo nick ou identificação durante a época.


Em caso de dúvida consulte o Regulamento!

Em breve serão definido o(s) prémio(s) a dar ao(s) 1º(s) classificados.

Read more...

Liga do Settore - Regulamento

Hoje o Settore inicia a sua liga de prognósticos, competição grátis para todos os leitores e que ocorrerá durante toda a época!

Durante esta poderá apostar no resultado de desafios das principais ligas Europeias, competições nacionais, competições Europeias e competições organizadas pela FIFA. Pretendemos, deste modo, trazer a maior diversidade possível a este torneio, sempre sem perder a sua base: o campeonato nacional.

- Em cada semana serão apresentados os jogos para a respectiva ronda de apostas onde os leitores deverão deixar os prognósticos.

- As apostas deverão ser deixadas na caixa de comentários do referido post até à data de início de cada partida. As apostas efectuadas após o início de uma partida (decorrida ou a decorrer) não são contempladas.

- Os prognósticos em jogos de prolongamento ou eliminação só são relativos ao tempo regulamentar -90 minutos.

- Cada leitor deve usar sempre o mesmo nick ou identificação durante a época.

- Todas as semanas será partilhada a classificação actualizada da Liga do Settore.

- A pontuação da Liga faz-se pelos seguintes critérios:

1 ponto – Acerta em derrota/empate/vitória

+

4 pontos – acerta no resultado final (ex: 2-0)

- Em cada jornada uma das partidas será o Joker, isto é, a pontuação obtida por cada jogador nesse encontro será dobrada.

- Em breve serão definido o(s) prémio(s) a dar ao(s) 1º(s) classificados.

- Caso se verifique um empate na classificação da Liga, o critério de desempate será o número de vezes que acertou no resultado final (4 pontos) e, em segundo lugar, a ordem de colocação dos prognósticos da última jornada.

A primeira jornada decorrerá já este fim-de-semana, esteja atento nos próximos dias à divulgação da ronda de partidas!


Read more...

Roubo de Igreja



Depois de já ter sido prejudicado na primeira e segunda jornadas, a deslocação a Guimarães do SLB revelou-se o exemplo mais flagrante da tentativa de arredar o actual campeão, o mais cedo possível, da luta pelo título. Foram lances a mais, entre penalties por assinalar, foras-de-jogo mal marcados, e um inexplicável critério de atribuição de amarelos num jogo que não foi violento - bem pelo contrário -, para que a tese de "erro humano" possa vingar. Até porque estamos a falar, supostamente, do melhor árbitro português, presente no Mundial da África do Sul, e que ainda esta semana, curiosamente ou talvez não, fôra por isso homenageado pela AF...Porto. Dir-me-ão que há erros próprios do SLB, que as arbitragens não explicam tudo, que a equipa está mais fraca, que o ano passado passávamos por cima dos erros, etc. Sem dúvida - e lá iremos! -, mas uma equipa não tem que ser, nem pode, ser sempre muito melhor que os outros; quando a um bom adversário se junta um artista destes...

Vinda de uma moralizadora vitória em casa, sobretudo pelas circunstâncias que a envolveram, o Benfica apresentava-se na cidade-berço com o esquema habitual, destacando-se a entrada de Carlos Martins para o lado direito, na ausência de Salvio. Do outro lado, o novo Vitória de Manuel Machado apresentou-se com a forma e atitude prometidas, uma equipa bastante ofensiva que juntava João Ribeiro a uma dupla de ataque com o novo craque Marcelo Toscano e o ponta-de-lança Edgar. E desde cedo o Vitória mostrou estar ali para ganhar o jogo. Foi um quarto-de-hora inicial muito bem disputado, nos dois meio-campos, sendo que desde cedo se percebeu que a equipa de Jesus ia ter dificuldades no centro do terreno, com Javi a ser o único centro-campista que defendia os contra-ataques adversários...e foi num lance desses, gizado pelo talento de João Ribeiro e finalizado superiormente por Edgar, que os vimaranenses se adiantaram.

Mais uma vez, o Benfica entrava a perder, mas desta vez reagiu à campeão, indo para cima do adversário; num bom período da equipa encarnada, com Gaitán e Coentrão bastante activos, Saviola chegou à igualdade merecida, já depois de o próprio Conejo se ter isolado num lance perigoso e anulado incrivelmente pelo auxiliar. Destaque também, nesta fase, para a acção de Carlos Martins, sempre em jogo, a testar o pontapé de longe e organizar o jogo (foi dele o passe que isolou Saviola no tal lance), para além de procurar ajudar mais nas transições defensivas (num desses lances, vê o amarelo depois de...cortar a bola). Tal como Javi o viu por falar - educadamente - com o auxiliar, David Luiz por uma falta que não fez e Luisão por pedir a expulsão de Alex num lance em que este atingiu perigosamente Coentrão. Uma das imagens de marca da equipa encarnada era, no ano passado, a pressão constante sobre o portador da bola; é verdade que falta alguém, Ramires, que era fulcral para ajudar Javi nessa função, mas se adicionalmente se amarela toda a zona recuada desde cedo sem justificação, mais impossível se torna exercer essa pressão.


Na segunda metade, a toada não se alterou no primeiro quarto de hora, fase em que o Benfica dominou, conseguiu aproximar-se com perigo da área do Vitória - é no entanto notório que está a faltar o golpe final, seja as combinações Aimar-Saviola, seja os desequilíbrios do Di María e cruzamentos mortíferos para Cardozo...Mas mais uma vez, lances capitais prejudicaram o Benfica nesta fase. Isso...e duas decisões de Jesus que, a posteriori, se vê claramente terem falhado: em primeiro lugar, a saída de Gaitán (acredito que estivesse tocado, senão não creio que o JJ o tivesse tirado), que estava, apesar de tudo, a ser a maior fonte de perigo, entrando Peixoto que não conseguiu imprimir o mesmo ritmo; depois, a saída de Carlos Martins e entrada de Jara, arriscando o 4x3x3 para chegar à vitória. Nesta última, não é a decisão táctica que critico, já que queríamos ganhar o jogo, mas creio que devia ter saído Aimar, muito desgastado, e não um inspirado Carlos Martins. Sinceramente, com a saída de Ramires e quando Ruben Amorim também não está no meio-campo, creio que é um suicídio não ter o Martins, já que é o único dos médios ofensivos que tem pulmão e noções defensivas.

A juntar a estas alterações, que acabaram por "matar" o ascendente encarnado, o Vitória continuava ambicioso, sem se remeter demasiado à defesa. Mexeu bem Manuel Machado, e, já depois de alguns lances a que Roberto se opôs bem, em mais um lance de contra-ataque (desta feita, uma perda de bola de Peixoto no ataque...) chegou a equipa da casa ao golo: centro perfeito de Bruno Teles (grande jogo!) e cabeçada do quase-proscrito-agora-reintegrado Rui Miguel. Um tento quase no término da partida, a que o Benfica já não conseguiu reagir.

No final do jogo, reagiram a meu ver bem os responsáveis benfiquistas, falando também de mais um apedrejamento do autocarro à passagem pela cidade do Porto...a equipa e o treinador têm que ser muito fortes para ultrapassar todas estas adversidades e focarem-se no essencial, eles próprios. E trabalharem muito para aperfeiçoar, como faziam o ano passado, os erros de jogo para jogo. Este ano vão ter é que trabalhar ainda mais, sobretudo no meio-campo. Tudo parece muito difícil e o primeiro lugar distante, mas se há coisa que os adeptos não vão tolerar é desistências. De resto, continuam a ter todo o apoio. São os mesmos que nos deram grandes alegrias o ano passado.

Parabéns ao Vitória, que fez um excelente jogo e não tem culpa de ter sido beneficiado pelo Benquerença...Se serve de alguma consolação, fico contente por ver um clube que sempre admirei (pela maneira como lá se vive o futebol e pela paixão pelo clube dos seus adeptos), e que além disso tem como se sabe relações privilegiadas com o SLB - por contraponto à proximidade FCP-Braga -, estar nos primeiros lugares e surgir forte esta época.

Por fim, gostava de dizer que a minha revolta por estes roubos não me impede de reconhecer que o FCP, actual líder da Liga, se apresenta neste momento muito forte e consistente. No jogo de ontem frente ao Braga, tiro o chapéu à força mental e vontade insaciável de vencer demonstradas, mesmo estando a perder por duas ocasiões perante um adversário que se limitou a chutar duas vezes de longe e fazer dois golos (gostava nesse sentido de perceber também onde é que a crítica viu ontem um "grande Braga"...). Além de que contam neste momento com um extraterrestre...Hulk está um fenómeno e cada vez mais adulto e decisivo. Faz-me saltar do sofá. Notável o trabalho de Villas-Boas, com ele e não só. Agora, quero é que o meu Benfica tenha também condições para lutar livremente contra os adversários (nomeadamente o melhor deles), o Porto pode estar actualmente mais forte mas a verdade é que a diferença de 9 pontos é um escândalo face ao que se passou nos vários jogos. A partir daqui, esperemos que a isenção impere.

Read more...

Golo da Semana

Read more...

Fantasy Football Uefa Champions League


Junta-te ao Settore Offensivo na Uefa Champions League Fantasy Football em http://pt.uclfantasy.uefa.com/
O Código de acesso à nossa liga é: 9424-8903.
Gostaria também de relembrar que esta é a 2ª edição da Liga do Settore Offensivo sendo que a 1ª foi ganha pelo Mister Pedro Ferreira e Silva ao comando do Gasga Petrodólares com 671 pontos.

Read more...

Casos da Jornada 2010/2011 - 3ª Jornada

Benfica-Setúbal

24': Penalty bem assinalado contra o SLB por falta de Júlio César sobre Zeca. Expulsão indiscutível, também.

Resultado correcto.

Braga-Marítimo

78': Grande penalidade por assinalar a favor dos madeirenses por falta de Rodríguez já dentro da área. Erro grave de Duarte Gomes, que assinalou apenas livre por considerar que foi fora.

90+4': Golo bem anulado a Baba, por fora-de-jogo.

Uma vez que o penalty por marcar vale apenas 0,75 de um golo, a vitória do Braga acaba por se manter.

Rio Ave-Porto

22': Golo irregular do Porto; não creio que Falcao, aquando do remate de Hulk, tenha feito falta sobre o guarda-redes, a bola já tinha passado pelo guardião e só depois se dá o contacto, mas no cruzamento para Hulk, aí sim, há carga clara do colombiano sobre o defesa que saltava com ele. Jorge Sousa, que o ano passado viu tão bem a falta de Cardozo, com muitos mais jogadores na zona do lance, em Braga (no lance do golo anulado a Luisão), desta vez não descortinou uma infracção semelhante.

37': Penalty por assinalar sobre Tarantini.

Apesar dos erros, atribui-se assim, dada a pontuação de 0,75 do penalty por marcar e dado que ficou 2-0, a vitória ao FCP.

Naval-Sporting

41': Golo irregular de Liedson, já que o Levezinho beneficiou de uma posição irregular no lance do primeiro tento leonino.

60': Penalty mal assinalado a favor do SCP, dando origem a mais um tento. Lupede desvia primeiro a bola e só depois se dá o contacto, natural, com Liedson.

O resultado de 1-3 deveria assim ter sido um empate.

Classificação Ajustada da Liga

FCP - 9 pontos
Braga - 7 pontos
Sporting - 4 pontos
Benfica - 3 pontos

Read more...

Portugal e o Futuro

Sempre fui um defensor de Carlos Queiroz como Seleccionador Nacional. Depois de 6 anos em que Scolari se fez rodear de um grupo restrito de jogadores, a tão mediatizada "família Scolari", o estado de podridão e pobreza em que foi deixada a formação a nível de Selecções, goste-se ou não de Felipão, obrigava a mudanças e a uma re-estruturação drástica. Precisava-se de alguém conhecedor da "casa" e com créditos firmados na importante (e em Portugal extremamente problemática) fase de transição de um jogador de futebol de júnior para sénior, para o futebol "a sério". E para tal tarefa, penso eu, ninguém melhor que o Prof. Queiroz, bi-campeão mundial sub-20 e campeão europeu de sub-17. É nessa perspectiva que compreendo o contracto de 4 anos que foi celebrado entre Federação e técnico. Eram necessários tempo (provavelmente nem 4 anos seriam suficientes) e condições para re-organizar a estrutura da formação, de forma a suavizar o processo de transição para a Selecção AA.

Sejamos claros. O (relativo) sucesso que Portugal teve em Europeus e Mundiais na primeira década do Século XXI não se deve a Scolari, António Oliveira ou Gilberto Madaíl. Deve-se sim a uma geração única no nosso futebol, que nos deu a conhecer génios e, acima de tudo homens, como João Vieira Pinto, Rui Costa, Luís Figo, Vítor Baía, Fernando Couto, Jorge Costa, Sérgio Conceição, Paulo Sousa, Nuno Gomes, Pauleta, Jorge Andrade, entre outros. Uma geração que mais tarde foi complementada pelo Super-Porto de Mourinho (que considero ter mais mérito no segundo lugar de Portugal no Euro 2004 do que o Seleccionador brasileiro), com Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, Nuno Valente, Costinha, Maniche e Deco, aos quais se juntou ainda Cristiano Ronaldo. Porém, agora, tudo isto (quase tudo) acabou. Resta uma mescla de jogadores que apesar de se terem destacado a nível de clubes, viveram muitos anos na sombra da "família Scolari". À maioria não lhes falta qualidade, falta cultura de Selecção e experiência internacional.


Foi neste contexto, de uma transição difícil mas urgentemente necessária, que se jogaram a Fase de Apuramento e a Fase Final do Mundial da África do Sul. Portugal não deslumbrou, é verdade, mas na minha opinião é falso, é irrealista, dizer-se que os objectivos mínimos não foram cumpridos. Como diz Mourinho "No eggs, no omlets!". Faltou certamente garra e audácia, como faltou também uma estrutura federativa competente e bem organizada, capaz de fechar o grupo de jogadores do assédio por parte da comunicação social. Foi nessa vulnerabilidade que começou o processo de linchamento público do qual Carlos Queiroz tem sido vítima. Foi também através da comunicação social que o maior responsável por todo este processo, o Secretário de Estado Laurentino Dias, se começou a intrometer nos assuntos da Selecção, mandando os jogadores "falarem menos e jogarem mais".


Após o afastamento de Portugal do Mundial e com o vasto número de declarações infelizes de jogadores, responsáveis e equipa técnica, a comunicação social iniciou um ataque cerrado ao Seleccionador. Vendo-se pressionado pela opinião pública, Laurentino Dias decidiu que era politicamente necessário afastar a equipa técnica, encabeçada por Carlos Queiroz. Não havendo razões de mérito desportivo para o fazer, desenterrou-se então o incidente com o ADop, onde se transformou um insulto numa grave tentativa de bloquear um controlo anti-dopagem. Onde estavam estes moralistas quando Scolari tentou agredir Dragutinovic em pleno relvado? Alguém tem dúvidas que se Portugal tivesse atingido as Meias-Finais ou a Final do Mundial não se tinha desenterrado a "c*** da mãe do Luís Horta" do baú? O resto do processo é do conhecimento público e sobre isso não me vou alongar mais.


Resta agora olhar para o futuro após a mais que provável saída de Queiroz, a qual deverá ser anunciada na reunião de hoje (quinta-feira) dos mais altos quadros federativos. O que acontecerá aos verdadeiros responsáveis pelo estado amorfo em que o futebol português se encontra? Nada! Laurentino Dias continuará no seu cadeirão pronto a apontar o dedo sempre que se levantar uma onda negativa na opinião pública em relação ao futebol e Gilberto Madaíl, que demonstrou, uma vez mais, não estar disponível para defender os interesses do futebol português, vai-se continuar a perpetuar no topo da estrutura federativa, tal como Amândio de Carvalho, por muitos considerado como o maior responsável pelo "Caso Saltillo".


A única mudança resumir-se-á então à ponta do iceberg, o lugar de Seleccionador Nacional. Olhando para as hipóteses possíveis, vislumbram-se poucas alternativas viáveis. Em cima da mesa, segundo a imprensa, estão alguns técnicos estrangeiros de créditos provados, com Luis Aragonés e Javier Aguirre à cabeça, sendo que Paulo Bento também vem sendo falado. Espero que nem uns nem outro. Os primeiros (sobre quem severá recaír a escolha) porque não são portugueses, algo que deveria ser condição necessária para se sentar no banco de suplentes. O segundo porque é mau treinador. Na maneira como olho para este problema, penso que a escolha deveria recaír sobre alguém que, tal como Queiroz, conheça o futebol português desde as bases e que tenha a tal "cultura de Selecção". Jesualdo Ferreira (não gosto do estilo, mas reconheço-lhe mérito) seria uma escolha óbvia e, para mim, a mais acertada. Conhece a "casa", onde trabalhou durante muitos anos, está numa fase madura da carreira e identifica-se com o esquema táctico primordialmente utilizado pela Selecção, o 4-3-3, que tão bem soube trabalhar no FC Porto. No entanto, o contrato recentemente assinado com o Málaga, iria provavelmente inviabilizar esta escolha. Além de Jesualdo, não encontro nenhum treinador português experiente que preencha os requisitos necessários para ser Seleccionador (Manuel Cajuda e Manuel José não me parecem boas opções). Porque não então apostar em alguém mais novo, alguém conhecedor do futebol moderno? Paulo Sousa vem fazendo um trabalho interessante em Inglaterra e passou pelas várias etapas da formação até se formar como um grande jogador nos AA's. Conhece a "casa" e tem, como poucos, "cultura de Selecção". Não seria certamente uma escolha consensual e não estará nesta altura nos planos da Federação, mas se há momento para arriscar, é agora, quando nada pode correr pior do que já está. Portugal não tem nada a perder.


No entanto, infelizmente, o escolhido vai muito provavelmente ser estrangeiro. Quem quer que seja vai encontrar uma Selecção triste, amorfa e desmotivada. Porém, encontrará também uma Selecção onde começam a aparecer soluções para os lugares habitualmente vistos como problemáticos. Na baliza, e apesar dos recentes erros, há Eduardo (não podemos esquecer o fantástico Mundial que "adormeceu" dois meses o "fantasma" que existe na baliza portuguesa), sendo que Daniel Fernandes e Rui Patrício, com tempo, também lá poderão chegar; nas laterais surgem opções de futuro, mas que já dão garantias no imediato, Coentrão e Sílvio; No meio-campo, Meireles e Tiago ganharam maturidade e experiência internacional, são opções válidas. Manuel Fernandes necessitará de maior regularidade e utilização para atingir os patamares desejados. Veloso e Amorim oferecem confiança e polivalência. Hugo Almeida (muito criticado ao início), é agora um jogador importante na manobra ofensiva da Selecção. Quaresma parece ressuscitado, Varela e Danny são boas opções, Nani tem muito para oferecer à Selecção. Resta encontrar um verdadeiro líder dentro de campo (Bruno Alves?) e enquadrar Cristiano Ronaldo neste necessário que, em termos de recursos humanos, me parece bem mais favorável do que aquele que existia há dois anos. Portugal tem tudo para dar certo. Falta, no entanto, uma estrutura federativa que crie as condições necessárias ao sucesso da equipa, e isso, infelizmente, parece que ainda vai demorar muito tempo a acontecer...

Read more...

Golo da Semana

Read more...

Arquivo Offensivo

6 de Junho de 2001, estádio José de Alvalade. Perante 34500 espectadores, Portugal continuou o seu objectivo de qualificação rumo ao Mundial 2002, batendo o Chipre por 6-0. Pedro Barbosa, João Pinto e Pauleta bisaram, mantendo Portugal no encalço da República da Irlanda e com vantagem sobre a Holanda.

Uma bela exibição da geração de ouro para recordar (2ª parte do desafio), apesar da ausência de Figo e Fernando Couto.


Portugal 6 vs 0 Chipre - 2001
Enviado por settoreoffensivo. - Mais videos de esportes profissionais, universitários e clássicos

Read more...

Na Figueira Manda a Tradição

Foi à 3ª jornada que vimos o melhor Sporting desta nova época. Para a maioria das equipas portuguesas jogar na Figueira da Foz é sempre complicado, mas parece que para o Sporting não é. Foi a sétima vitória em outras tantas deslocações e o Sporting já é 3º classificado com apenas FC Porto e Sp.Braga pela frente.

Paulo Sérgio, lançou a dupla chilena – Matías e Valdés – como titulares e manteve a aposta em Abel na lateral direita apesar da convocatória do novo menino-bonito de Alvalade, João Pereira. Foi sem surpresa que Vukcevic e Hélder Postiga voltaram ao banco de suplentes.

O Sporting começou o jogo num 4-2-3-1 com Yannick a extremo-esquerdo, Valdés sobre a direita e Matias como nº10. Também não foram poucas as vezes que Yannick surgiu a fazer companhia a Liedson na frente de ataque, tal como não foram poucas as vezes que vimos Valdés em terrenos mais interiores, dando assim a ideia de um 4-4-2 losango.

Do lado da Naval, as minhas atenções recaíram sobre a titularidade de Hugo Machado, um antigo nº10 da equipa de B leonina que chegou a fazer e
a pré-temporada com Fernando Santos em 2003/2004. Também estava curioso para saber como se iria comportar o João Pedro, campeão europeu sub-17 em 2003.

O Sporting imprimiu um ritmo muito forte no início do jogo fazendo prever o golo a qualquer momento e logo aos 2’ já Liedson estava a disparar à baliza do francês Salin.

A Naval apresentava muitas dificuldades em sair com a bola controlada do seu meio-campo defensivo. Era sem surpresa que o Sporting rematava a “torto e a direito”. Valdés aos 4’, Evaldo aos 6’, Liedson aos 8’ por aí adiante…um massacre!

Aos 14’, após boa jogada individual de Valdés do lado direito, Yannick acerta na barra com um excelente cabeceamento. Na recarga Liedson falhou o golo iminente, mas o árbitro já tinha interrompido a partida por fora de jogo.

Foi sem surpresa que o Sporting chegou ao golo aos 39’. Matias viu muito bem Abel a entrar pela área e fez um passe de morte, o lateral domina mal a bola (como é costume) e remata (terá sido um passe?) para Liedson que resolve de calcanhar. Foi o primeiro golo de Liedson esta época, ele que estava a demorar a marcar.

Aos 43’ Matias quase marcou o golo da noite com um forte disparo de longe, Salin (bom guarda-redes ex Tours) defendeu para canto!

Na 2ª parte o Sporting baixou o ritmo e foi aí que entrou em acção Lupède, o jovem defesa francês da Naval parecia não querer deixar o Sporting sair da Figueira sem marcar mais uns golos.

Aos 58’ Lupéde travou em falta Liedson dentro da área e Elmano Santos assinalou penalty. Matias (que nunca falhou um penalty na sua carreira) não deu qualquer hipótese e voltou a marcar neste campeonato.

Aos 70’, Lupéde (quem mais haveria de ser?) isolou Yannick com uma assistência “à Secretário” e este não descurou a oportunidade. Segundo golo de Yannick esta época. Parece compensar as exibições paupérrimas com golos, já não é mau!

Aos 75’, João Pedro reduziu para 1-3 através dum lance confuso em que os jogadores leoninos não conseguiram aliviar a bola da área.

Ao 79’ Valdés esteve muito perto de marcar um golaço “à Dembelé” mas faltou-lhe discernimento na hora de rematar de pé esquerdo!

Aos 90’+4, novo brinde de Lupéde para Yannick, só que desta vez Yannick achou que poderia dar-se ao luxo de oferecer o golo a Saleiro. Achou mal!

O Sporting venceu com justiça na Figueira apresentando o seu melhor futebol desta época. Deixo a análise dos lances polémicos (ainda são alguns) para a rubrica semanal do Pedro Veloso.

No Sporting destaque para:

Valdés: não é nenhum extremo virtuoso como Quaresma ou Nani, mas não perde uma bola estupidamente, parece-me ser um jogador inteligente.
Dupla de centrais: Nuno André Coelho atravessa um bom momento de forma que culminou com a chamada à Selecção AA (precipitada na minha opinião) e Daniel Carriço tem-se revelado um líder (nenhuma surpresa) neste início de época.
Liedson: já não tem a genica de outros tempos mas mesmo assim dá trabalho a qualquer defesa.

Yannick: goste-se ou não (eu tenho dias), Yannick tem sido decisivo com as suas correrias desenfreadas. É com agrado que o vejo de volta à Selecção Nacional dois anos depois (vendo bem só temos Nani, Danny e Quaresma melhores que ele de entre os extremos desiquilibradores que poderiam ser convocados)

Na Naval destaque para:

Lupède pela negativa por todos os disparates que andou a fazer em campo.

Godomèche: o verdadeiro pulmão do meio-campo da equipa da Naval, também ele um líder!
João Pedro: o ex Sp.Braga deu boas indicações neste jogo, revelando uma excelente técnica com ambos os pés.

Na próxima jornada o Sporting tem tudo para subir na tabela classificativa uma vez que o Sp.Braga (2º) vai ao Dragão (1º) e o Sporting recebe o Olhanense num jogo que tem que ganhar obrigatoriamente!

Read more...

Milan! Milan! Milan!

Como miúdo que começou a ver futebol no início dos anos 90, há certos clubes que ganharam uma aura especial no meu imaginário de adepto. Manchester Utd, Bayern, Real Madrid...mas em especial o todo-poderoso Milan de Capello (já não me lembro dos anos de Sacchi, ao que dizem ainda mais brilhantes, como naquele ano de 1990 em que pela 5ª vez o Benfica perdeu, nesse ano às custas da formação rossonera, uma final da Taça dos Campeões Europeus).

Era uma máquina, assente numa das melhores defesas de sempre (Tassoti, Costacurta, e sobretudo os eternos Baresi e Maldini), e na classe dos executantes que tinha na frente: numa primeira fase o trio holandês Rijkaard, Gullit e Van Basten, depois artistas como Savicevic, Boban e Donadoni. Um jogo, em particular, marcou o meu fascínio pelo Milan, um gigante sete vezes campeão europeu: a final de 1994 da Champions, numa Atenas a escaldar, em que literalmente humilharam o mágico Barça treinado por Cruijff. Uma goleada que anos mais tarde levaria José Mourinho, numa das múltiplas guerras de palavras com o holandês, a dizer que "não quero que ele me ensine a perder uma final da Champions por 4-0".


Durante esta década, sobretudo com Ancellotti, voltámos a ver um Milan competente a nível europeu, mas a verdade é que internamente a equipa tem sido cada vez mais ridícula nos últimos anos, acumulando fracassos atrás de fracassos. Um pouco como o Liverpool em Inglaterra. Ora vem tudo isto a propósito do aparente renascimento de um Milan forte. Não só pelas recentes contratações de Robinho e Ibrahimovic, mas sobretudo pelos excelentes sinais que deram no primeiro jogo, esmagando o Lecce numa partida em que aqueles dois craques ainda não estavam presentes.

Sob o comando do novo técnico Massimiliano Allegri, jovem técnico de 43 anos vindo do Cagliari, parece a equipa ter recuperado a alegria de jogar e, essencialmente, ter uma filosofia muito mais ofensiva do que no passado. Jogaram, em simultâneo, Pirlo, Seedorf, Pato, Ronaldinho e Borriello (o bomber italiano que hoje seguiu para a Roma), suportados apenas por um médio de características mais defensivas (e que até sabe sair para o ataque, o veterano capitão Ambrosini). Estava farto de ver, nos últimos anos, jogadores limitados (e demasiado velhos) naquela equipa, desde Brocchi a Pancaro, e isso parece estar a mudar, como se vê ao olhar para o plantel. A nível defensivo também se garante muita qualidade com a dupla Nesta-Thiago Silva. Em suma, parece haver ambição e a equipa deu de facto festival neste jogo. Claro que, com a abundância no ataque e egos que não são fáceis, tudo dependerá da mestria do treinador em ir gerindo os recursos. Mas como diria La Palisse, é melhor ter bons ovos do que não os ter.

Para além do mais, há este senhor...voltou o ET. Um espanto chamado Ronaldinho. Deliciem-se. Sim Dunga, você também.


Read more...